Parada obrigatória na Irlanda

MUNDO

Parada obrigatória na Irlanda

Com cenários que mais parecem terem saído de um quadro, conheça Dublin por meio de fotografias da jornalista e fotógrafa Gianda Oliveira


Arquitetura em estilo georgiano, dos séculos 17 e 18, é possível conferir pelas ruas de Dublin
Arquitetura em estilo georgiano, dos séculos 17 e 18, é possível conferir pelas ruas de Dublin - Gianda Oliveira/Divulgação

Um dos principais pontos turísticos de Dublin, o Spire, monumento em forma de agulha, situado na região central da cidade, deve entrar na sua lista de lugares para visitar depois do surto do coronavírus. Outros lugares são: Dublinia, museu interativo que convida os visitantes a fazer uma viagem ao passado para conhecer Dublin durante a época viking e Idade Média, e o Parque Iveagh Gardens, um tranquilo refúgio verde na região central da capital da Irlanda.

Localizada na costa oriental do país, na foz do Rio Liffey, que divide lugar em duas partes, Dublin é muitos mais do foi retratado em filmes como “Once”, drama do diretor John Carney, e “P.S. Eu Te Amo”, que teve o famoso Whelan’s Pub como cenário. O destino ainda conta com pontos importantes como o Trinity College, que abriga uma biblioteca com maior coleção de manuscritos e livros da Irlanda, e a Catedral de Saint Patrick, templo construído em homenagem ao padroeiro do país.

Quem é apaixonada por Dublin é a jornalista e fotógrafa Gianda Oliveira, que é natural de Catanduva, trabalhou em Rio Preto por cerca 15 anos e há dois anos e meio vive na capital da Irlanda. Trabalhando como fotógrafa, Gianda conta conhecer Dublin é uma experiência única. “Apesar de ser pequena, a cidade reúne cidadãos do mundo todo que veem para trabalhar ou estudar inglês. Assim como é possível encontrar variedade de culturas, Dublin também oferece ao turista muita história, lazer e diversão.”

Conhecida pelos pubs, um mix de bar e restaurante, onde tocam muita música celta e oferecem a famosa cerveja local Guinness, Dublin possui cerca de mil pubs, segundo dados oficiais, alguns inclusive do século XIII. Gianda conta que o mais famoso deles é o “Temple Bar”, que fica num bairro central (que leva o mesmo nome) à beira do rio Liffey e é super movimentado. “A região é espalhada por ruas de paralelepípedos com lojas que oferecem roupas e artesanato de designers locais.”

Gianda afirma que, ainda no Centro, o turista pode conferir de perto o Spire, a maior escultura do mundo, com 120 metros de altura que parece uma agulha gigante fincada na O’Connell, principal avenida da cidade. “O monumento foi construído no mesmo ponto onde estava um pilar histórico explodido e derrubado pelo IRA em 1966.”

Também chamada de Ilha Esmeralda por causa do verde de suas vegetações, a Irlanda possui natureza exuberante com montanhas e grandes penhascos, conhecidos como cliffs. “Em Dublin é possível conferir alguns deles. Além de diversos parques com muitos lagos, esquilos e os famosos cervos que são uma das atrações do Phoenix Park, o maior parque urbano da Europa.”

A fotógrafa de Catanduva afirma que a arquitetura da cidade, recheada de igrejas antigas, castelos e prédios históricos é outro atrativo. “Muitos deles são edifícios em estilo georgiano, construídos pela elite britânica nos séculos 17 e 18. O conjunto arquitetônico faz parte do charme da cidade, atração turística imperdível e de graça que se vê caminhando pelas agradáveis ruas. De sossego a agito Dublin oferece história e clima típico europeu pra encantar qualquer brasileiro.”