Rota do queijo

BRASIL

Rota do queijo

Saiba como fazer alguns roteiros incríveis, com ótima gastronomia e belíssimas paisagens no Brasil


O cozinheiro Alexandre Villela, o Badaró, (chapéu preto) ao lado de amigos em um evento em Serra da Canastra em setembro do ano passado
O cozinheiro Alexandre Villela, o Badaró, (chapéu preto) ao lado de amigos em um evento em Serra da Canastra em setembro do ano passado - Divulgação

O Brasil conta com vários roteiros para conhecer o processo de produção de queijos, fazer uma degustação das delícias e ainda comprar produtos para presentear ou para consumir em casa. O cozinheiro, charcuteiro e assador Alexandre Villela, o Badaró, criador do Empório Nhô, que é especializado em charcutaria, molhos e queijos, afirma que existem vários lugares e opções aonde podemos encontrar queijos artesanais maravilhosos. Uma das rotas mais famosas é a região da Serra da Canastra, localizada no Sudoeste de Minas Gerais.

Destino repleto de cenários naturais incríveis, como cachoeiras e a nascente do Rio São Francisco, a região é conhecida mundialmente pela sua iguaria de sabor impar. Trata-se do queijo Canastra, que já se tornou Patrimônio Cultural Imaterial pelo Iphan. Por lá, o turista consome produtos autorais, que se valem de sabores especiais a partir dos métodos de produção diferenciados e a qualidade dos ingredientes.

Badaró afirma que existem muitas fazendas famosas que produzem o alimento, com a de José Mário, um dos mais antigos produtores da Canastra. Um dos precursores do verdadeiro queijo canastra, aquele que tem a casquinha amarela por fora, ele atrai muitos fãs e turistas. Outro lugar famoso é a estância Capim Canastra. O alimento produzido por Guilherme Ferreira, mais conhecido como Capim, conquistou o segundo lugar em um dos principais concursos de queijos do mundo, Mondial du Fromage de Tours, realizado na França.

Na próxima viagem, o turista pode ainda experimentar o legítimo "queijim" mineiro vendidos nas vilas e estradas de terra da região. Badaró afirma que, além dos queijos dos produtores famosos, é possível comprar alimentos baratos e com a mesma qualidade de pequenos produtores. "Eu pude conhecer todos estes lugares quando eu participei do festival dos Prazeres da Mesa, no concurso de melhores queijos do Brasil."

Por meio destas experiências, Badaró conta ainda que saboreou o queijo Pardinho. "É um dos melhores do mundo. É caro, mas vale a pena cada centavo. Mas está em uma rota diferente." O queijo cuesta, por exemplo, é elaborado artesanalmente a partir do leite cru de vacas da raça Gir, criadas a pasto na Fazenda Sant'Anna em Pardinho, em São Paulo. Nos mercados, o queijo cuesta pode ser encontrado por cerca de R$ 200 o quilo.

Ainda na Serra da Mantiqueira, Badaró fala que é preciso experimentar o famoso queijo da Lagoa, que trazem produtos defumados. "Tem uma série de produtores muito legais e os seus produtos são surreais." O mais bacana é que os produtores, em breve, irão voltar a abrir as suas fazendas para apresentar o processo de produção dos queijos.

 

Vitor Jubini/MTur?Divulgação

Em Venda Nova do Imigrante, no Espírito Santo, o turista, além de ter bastante contato com a natureza, tem o privilégio de poder saborear os quitutes da cozinha local, repleta de queijos frescos e doces feitos com leite ou frutas. Referência no agroturismo, modalidade que combina turismo e agricultura, a cidade também entra na rota dos queijos por meio da família Busato, que tem uma fazenda que fabrica laticínios e produtos artesanais.

Neste tipo de turismo, estão os produtores do Sítio da Família Brioschi, que buscam explorar a cultura e os sabores da roça para atrair turistas e apaixonados pela vida na roça. Ao ir até o local, o visitantes, além de levar queijos para casa, carregam também as histórias de quem vive no campo. A receita artesanal, passada de pai para filho, se torna um diferencial - os produtos tem sabores peculiares. No sítio ainda é possível ter contato com os animais e comprar ainda iogurtes e defumados como lombinho com erva e abacaxi.

Além dos queijos, é possível saber mais sobre o socol em Venda Nova do Imigrante. Trata-se de um embutido de origens italianas parecido com o presunto de parma e salame. Com cara e sabor das montanhas capixabas, o produto é vendido pela Família Lorenção, que tem uma das produções mais tradicionais de socol do Espírito Santo, feito com lombo suíno e temperos regionais. Outra opção é Fazenda Carnielli, que vende queijos, cafés especiais, fubá, socol, embutidos e doces, iogurtes.