Bem além das fronteiras

CHINA/SUÍÇA

Bem além das fronteiras

Votuporanguense e rio-pretense contam, respectivamente, porque Shanghai, maior cidade da China, e Zurique, centro financeiro da Suíça, merecem ser visitadas após a pandemia do coronavírus


Camila no Yu Gardens, que fica a 30 minutos de caminhada do centro de Shanghai
Camila no Yu Gardens, que fica a 30 minutos de caminhada do centro de Shanghai - Arquivo pessoal

O turismo já passa por reaberturas, e, apesar de o número de novos casos de coronavírus no mundo ainda ser alto, muitas pessoas já estão planejando as próximas viagens. Enquanto muitos viajantes procuram destinos nacionais, outros buscam roteiros internacionais, sem se preocupar com as longas horas de voo ou paradas em diferentes aeroportos. Pensando neste grupo, a reportagem falou com ex-moradores de Votuporanga e Rio Preto, que escolheram não só viajar como morar fora do Brasil e convidam os viajantes para darem uma volta, em breve, além das fronteiras brasileiras.

Shanghai (China)

Muitas pessoas podem torcer o nariz quando se fala em viajar para a China, país onde o primeiro caso da Covid-19 foi registrado, mas a gerente de operações Camila Felix Pessoa garante que o país merece ser explorado, em especial a cidade de Shanghai, onde mora há cinco meses. "É uma cidade que encanta e surpreende à primeira vista até mesmo pra quem mora em outras cidades da China. Morei em Pequim por quase cinco anos antes de me mudar pra cá, e somente há dois anos estive aqui a passeio pela primeira vez."

Devido à sua área portuária, Shanghai começou a ter contato com o ocidente antes das demais cidades chinesas, tornando-a um lugar cosmopolita e multicultural onde se pode encontrar arquiteturas europeias das mais distintas vertentes (algumas áreas da cidade foram concedidas a países europeus no século XVIII XIX, como França, Alemanhã, Reino Unido). "Em Shanghai também é possível encontrar gastronomias de todos os lugares do mundo e da mais alta qualidade. Difícil vir pra cá e não ganhar uns quilinhos. A culinária local também é muito peculiar, com pratos levemente doces e cheios de sabor."

Bund (uma vasta área à beira do rio Huangpu) é certamente a área mais famosa, segundo Camila. "Lá se pode encontrar os arranha-céus que se tornaram cartão-postal de cidade, bem como imponentes construções de estilo europeu que funcionavam como bancos e empresas dos países com os quais Shanghai mantinha forte vínculo comercial no século XIX. Há vários restaurantes com terraços suntuosos com vista para o rio, por onde passam incessantemente inúmeras embarcações."

Camila explica ainda que há outros pontos turísticos que valem a pena serem visitados na cidade, como o Yu Gardens, um jardim extremamente bem cuidado construído no século XVI que hoje conta com um paisagismo absolutamente incrível. "Meu passeio favorito ainda é caminhar pelas áreas centrais da cidade (como a Conceção Francesa) para apreciar a arquitetura e o paisagismo de Shanghai que fazem dessa uma das cidades mais bonitas da China e, quiçá, do mundo. Seja de bicicleta ou a pé, certamente será um passeio agradável, com pausas para um bom café ou chá enquanto se saboreia um petisco local. Eu amo Shanghai e tenho absoluta certeza que quem a conhece também vai se apaixonar".

Zurique (Suíça)

Morando em Zurique, a maior cidade da Suíça, Rafael de Souza Bento, que é chefe de serviço no Hotel Auto Kulm Uetliberg Tod auf Zurich, conta que é apaixonado pelo lugar, que é conhecido pelos famosos chocolates e queijos, arquitetura diferenciada e muitas montanhas e lagos ao lado de centros contemporâneos. O rio-pretense afirma que um dos pontos turísticos que devem ser visitados é o parque Flussbad Oberer Letten, local para nado à beira do lago com plataforma de mergulho, vôlei e solários próximos a restaurantes, bares, cafés e cervejarias.

Nos dias mais quentes do ano, o parque fica lotado de pessoas que querem relaxar, nadar e jogar bola com os amigos. Muitos colocam suas toalhas nos gramados e terraços na margem do lago e fazem piquenique. Com um fluxo de transito organizado, Zurique tem outros pontos turísticos importantes como as igrejas Fraumûnster e Grossmünster, além de museus e galerias de arte, como o Kunsthaus, que tem acervo que inclui obras de Munch a Andy Warhol. O transporte público de Zurique é eficiente, principalmente os trens.

É indicado ainda dar uma volta pela Bahnhofstrasse, rua de compras entre as mais sofisticadas do mundo. Lá é possível ver várias ofertas dos mais belos relógios do mundo. Vale a pena também fazer passeio de barco pelo lago Zurique e também pelo rio Limmat. Das quatro línguas oficiais do país, o alemão é a principal e a língua mais falada no destino, e a moeda da Suíça é o franco suíço. É recomendado que os viajantes usem o cartão de crédito, que é totalmente aceito em todos os lugares da cidade. O Hotel Uto Kulm, onde Rafael de Souza Bento trabalha, é uma das principais e mais importantes hospedarias da cidade, ou seja, uma opção de hospedagem em Zurique.