Aumento do Consumo de materiais descartáveis

TURISMO

Aumento do Consumo de materiais descartáveis

O medo da contaminação nos hotéis e os novos protocolos de higiene trouxeram de volta um inimigo da natureza: o plástico


Houve um aumento do uso de objetos de higiene, como luvas, máscaras e todo o equipamento necessário para enfrentar o vírus
Houve um aumento do uso de objetos de higiene, como luvas, máscaras e todo o equipamento necessário para enfrentar o vírus - Fotos: Freepik/Divulgação

Com a pandemia do coronavírus, todo espaço conquistado pelo turismo sustentável está sendo perdido com os novos protocolos de higiene para garantir mais segurança aos hóspedes. O segmento, que vai muito além da questão ecológica e incentiva um aumento do aproveitamento de recursos protegendo o meio ambiente e a redução e reciclagem de resíduos, agora ganha um novo inimigo: o plástico. A partir de agora, as toalhas, utensílios e alimentos serão esterilizados e embalados para oferecer ao hóspede uma maior percepção de higiene.

Redes de hotéis e hospedagens compartilhadas já começaram a seguir padrões das autoridades sanitárias e criaram um sistema de certificação de higiene, visando aumentar a segurança no pós-pandemia. A lista inclui ainda funcionários com máscaras e trajes especiais e luvas, assim como óculos e aventais feitos de materiais descartáveis. O grande problema é que os procedimentos de higiene e segurança sanitária mais rigorosos vão gerar mais lixo. O uso, por exemplo, de produtos de limpeza e gel também vai gerar o descarte de embalagens plásticas. Assim, como o fim dos buffets nos hotéis aumentou o consumo de embalagens com os serviços de entrega.

Além de ir contra o turismo sustentável, que tem um compromisso com o meio ambiente, com a cultura local e com a acessibilidade, o aumento do consumo de plástico e outros materiais descartáveis faz mal para a natureza, já que a poluição pelo plástico afeta a qualidade do ar, do solo e sistemas de fornecimento de água. O material absorve diversas toxinas e pode levar até 100 anos para se decompor.

O Brasil é o 4º maior produtor de lixo plástico do mundo, atrás apenas de Estados Unidos, China e Índia. O país também é um dos menos recicla este tipo de lixo: apenas 1,2% é reciclado, o ficando atrás de Yêmen e Síria e bem abaixo da média mundial que é de 9%. Os dados foram informados pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF) em 2019.

Uma das soluções, segundo especialistas, é reconhecer e valorizar a importância destes protocolos de higiene, para que o turista tenha confiança e volte a se hospedar nos hotéis com tranquilidade, tentando minimizar os efeitos da crise sobre o setor da hotelaria, e também fazer com que os estabelecimentos tenham consciência ambiental e façam o descarte correto dos materiais descartáveis usados para a desinfecção e limpeza, e também dos plásticos de uso único, como cotonetes, pratos, copos e recipientes para alimentos e bebidas.