Nódulo na tireoide

Saúde

Nódulo na tireoide

Condição atinge, em média, 60% dos adultos no Brasil e 5% são malígnos


Médico examina tireoide de paciente: exames são importantes
Médico examina tireoide de paciente: exames são importantes - Iakov Filimonov

Se você foi ao médico e recebeu o diagnóstico de que está com um nódulo na tireoide, mantenha a calma. Os dados mostram que, no Brasil, os casos são semelhantes ao registrado pela literatura internacional, que apontam que 60% dos adultos têm um ou mais nódulos de tireoide e 5% desses são malignos.

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia, a tiroide é uma glândula em forma de borboleta (com dois lobos), que fica localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo da região conhecida como pomo de adão (ou popularmente, gogó). É uma das maiores glândulas do corpo humano e tem um peso aproximado de 15 a 25 gramas (no adulto).

A tireoide age na função de órgãos importantes como o coração, cérebro, fígado e rins. Interfere, também, no crescimento e desenvolvimento das crianças e adolescentes, na regulação dos ciclos menstruais, na fertilidade, no peso, na memória, na concentração, no humor e no controle emocional. É fundamental estar em perfeito estado de funcionamento para garantir o equilíbrio e a harmonia do organismo.

Comparada a outros órgãos do corpo humano é relativamente pequena. É responsável pela produção dos hormônios T3 (tri-iodotironina) e T4 (tiroxina), que atuam em todos os sistemas do nosso organismo. "Quando a tireoide não está funcionando adequadamente pode liberar hormônios em excesso (hipertiroidismo) ou em quantidade insuficiente (hipotireoidismo)", explica o endocrinologista Gabriel Calabria.

Segundo a endocrinologista Lorena Lima Amato, a incidência não está aumentando, é o diagnóstico que está mais preciso devido aos exames e tecnologia avançados. Outro estudo mostra que entre os nódulos encontrados nesses 60% de adultos, apenas 1% é palpável, sendo que o restante só podem ser localizados com exames como a ultrassonografia de tireoide.

Além do tamanho, algumas características específicas indicam se o nódulo deve ou não ser puncionado para avaliação de risco. Geralmente, isso acontece com os maiores de um centímetro. "O nódulo não se torna maligno, ele já surge com as características de malignidade. Caso tenhamos um nódulo inicialmente diagnosticado como benigno, há 5% de chance de tratar-se de um falso negativo, e por isto deve ser acompanhado", diz ainda. Existem indicações precisas para cirurgia, e mesmo os nódulos benignos, em geral, quando maiores que quatro centímetros, devem ser retirados.

O reconhecimento deste nódulo precocemente pode salvar a vida da pessoa e a palpação da tireoide é fundamental para isso. Este exame é simples, fácil de ser feito e pode mudar a história de uma pessoa. "Uma vez identificado o nódulo, o endocrinologista pedirá uma série de exames complementares para confirmar a presença ou não do câncer", diz Calabria.