A fritura que adoece

Saúde

A fritura que adoece

Doenças cardiovasculares, resistência à insulina e má absorção de nutrientes são alguns dos malefícios


Consumir alimentos fritos em excesso causa problemas à saúde
Consumir alimentos fritos em excesso causa problemas à saúde - Pexels/Banco de imagens

Apesar de serem conhecidas como opções pouco saudáveis, muitos brasileiros insistem em manter a fritura na preparação do cardápio. É difícil resistir ao pastel de feira, a uma coxinha ou a um prato de batata frita. Entretanto, o excesso de alimentos fritos trazem graves danos à saúde. Doenças cardiovasculares, resistência à insulina e má absorção de nutrientes são alguns dos problemas.

Alimentos fritos entraram na lista feita pela norte-americana Michelle Schoffro Cook - famosa autora de best-sellers, sobre alimentação. Ela elaborou uma lista com os dez piores alimentos do mundo para o ser humano. "Quando o alimento é submetido a altas temperaturas sofre a glicação, que é uma modificação molecular. Estão surgindo muitos estudos procurando relacionar essas alterações com o aparecimento de doenças cardiovasculares e também o câncer", explica o nutrólogo Celso Cukier.

Além de mais calóricos, os alimentos fritos também são menos nutritivos. "Quando um alimento é colocado em óleo, seja ele vegetal ou animal, a uma alta temperatura, ele se desidrata e perde nutrientes, principalmente substâncias antioxidantes como as vitaminas. Por isto, além de mais calóricos, os alimentos fritos são menos nutritivos", explica a nutricionista Cyntia Maureen.

 

Pode causar diabetes: O consumo excessivo de alimentos fritos leva à resistência a insulina, hormônio que controla as taxas de glicose no sangue. A resistência insulínica é quando a insulina que circula no sangue não exerce sua atividade de forma plena. As principais consequências são cansaço,
mal-estar, dores de cabeça, falta de energia e, em alguns casos, o desenvolvimento do diabetes;

Podem causar doenças cardiovasculares: Quando os óleos utilizados para fritar alimentos são submetidos a alta temperatura as características químicas são alteradas, transformando-os em gorduras saturadas que, frequentemente, se acumulam nos vasos sanguíneos e entopem as artérias. Esse acúmulo impede a passagem do sangue ao coração, o que pode causar um infarto ou um AVC (acidente vascular cerebral), caso o sangue fique impedido de chegar ao cérebro;

Acúmulo de gordura abdominal: Há dois tipos de gordura na região abdominal: a subcutânea e a visceral. A primeira está localizada logo baixo da pele e acima dos músculos. Ela é menos perigosa, é a mais difícil de eliminar. Já a gordura visceral está sob o músculo e em torno dos órgãos e, apesar de ter a função de formar uma parede protetora, seu excesso é nocivo à saúde, pois, coloca a pessoa numa alta taxa de risco para o desenvolvimento de doenças graves como hipertensão, aumento de triglicerídeos, elevação do colesterol ruim e alterações metabólicas", diz a nutricionista Sinara Menezes;

Contribui para o envelhecimento: O consumo em excesso de gordura saturada presente nas frituras, é um fator que contribui para o aumento da produção de radicais livres em nosso organismo. A liberação excessiva de radicais livres causa um fenômeno conhecido como estresse oxidativo,
que está associado ao envelhecimento.

Fonte: Cyntia Maureen, nutricionista