Livre da caspa

Saúde

Livre da caspa

Condição comum no inverno atinge aproximadamente 40% da população


A caspa acaba se manifestando com mais frequência no inverno
A caspa acaba se manifestando com mais frequência no inverno - Unsplash/Banco de imagens

Os dias mais frios levam ao consumo de comidas mais gordurosas e utilização do chuveiro quente. A associação ao estresse pode causar a descamação no couro cabeludo. É a famosa caspa, que atinge 40% da população brasileira e afeta mais os homens do que as mulheres, segundo dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

A caspa recebe o nome de dermatite seborreica e conta com a participação de um fungo chamado de Pityrosporum ovale. "A caspa não é um tipo de micose, mas sim uma inflamação crônica com a ação de um fungo oportunista", diz a dermatologista Natalia Cymrot. Sua prevalência é maior no inverno, também por conta da menor exposição da pele aos raios solares.

"A dermatite seborreica é um processo inflamatório leve e crônico, sem causa definida e sem cura. Está relacionada ao tipo de sebo produzido pela pele do indivíduo, além de diversos outros fatores como microbiota da pele e padrão de resposta inflamatória do indivíduo", explica o dermatologista José Jabur da Cunha.

A condição acaba se manifestando com mais frequência no inverno em razão de banhos muito quentes e por uma menor exposição das pessoas ao sol. É uma doença que evolui, com períodos de piora e melhora. "A prevenção é feita com sabonetes e hidratantes específicos, exposição solar consciente e medidas dietéticas como a redução no consumo de álcool", explica Jabur.

Outros fatores também ajudam no aparecimento da caspa, como o fato de a pessoa ter a pele ou os cabelos naturalmente oleosos. O uso de shampoos com elementos detergentes mais agressivos também podem provocar irritação e ressecamento da fibra capilar. Ao lavar o cabelo menos vezes no inverno, há acúmulo de oleosidade e descamação.

"A caspa também pode aparecer por uma tendência genética; por períodos intensos de estresse; ou por causa de uma alimentação rica em gorduras; sem falar de alguns hormônios, como a testosterona, que estimulam as glândulas sebáceas", complementa Jabur. Como acontece com a acne, a maior atividade das glândulas sebáceas ocorre sob a ação dos hormônios androgênicos. Por isto, o início dos sintomas da dermatite seborreica ocorre geralmente após a puberdade.

A caspa não é contagiosa, sendo necessária uma predisposição para que seja desencadeada. "A caspa ocorre predominantemente no couro cabeludo, mas também pode surgir na região da barba, pálpebras, sobrancelhas e nas orelhas", diz ainda Natalia Cymrot.

 

  • Atenção à temperatura da água do banho. Opte por banhos mornos ou lave os cabelos fora do banho com água fria;
  • Manter o couro cabeludo abafado é uma das piores coisas quando você tem caspa. Evite o uso de boné, touca ou gorro. Mantenha o couro cabeludo sempre seco e arejado;
  • Ao sair do banho, não faça coques nem prenda os cabelos úmidos ou molhados. Tente deixar os fios soltos para que não fiquem úmidos e abafados;
  • Use sempre os secadores a uma distância de, pelo menos, 20 centímetros do couro cabeludo;
  • Opte por uma alimentação saudável. Evite comida gordurosa. Consuma mais fibras e beba mais líquidos (água e sucos naturais);
  • Prefira shampoos que contenham ácido salicílico, cetoconasol, ciclopirox e piritionato de zinco.

Fonte: José Jabur da Cunha, dermatoologista