Cada bebida, uma emoção

Saúde emocional

Cada bebida, uma emoção

Compreender as sensações ajuda discutir quais emoções influenciam na escolha


Estudo quer descobrir quais emoções influenciam na escolha da bebida
Estudo quer descobrir quais emoções influenciam na escolha da bebida - Pexels/Banco de imagens

Não raramente alguém diz que costuma ingerir diferentes tipos de bebidas alcoólicas em uma única ocasião, uma vez que acha que tudo é igual, é álcool. Entretanto, segundo a ciência, não é bem assim. As reações são diversas. Os especialistas garantem que vinho, vodca, cerveja, e assim por diante, têm repercussões muito diferentes no corpo quanto às emoções.

Um estudo realizado entre a Bangor University e o King's College de Londres, na Inglaterra, mostrou que o vinho relaxa e deixa as pessoas mais amorosas, enquanto a vodca aumenta a energia, mas também estimula a agressão (assim como o uísque) e a cerveja favorece a confiança em si mesmo.

A pesquisa que analisou questionários relativos a 30 mil pessoas (entre 18 e 34 anos de 21 países), descobriu que aqueles que geralmente tomam bebidas alcoólicas têm respostas emocionais significativamente diferentes dependendo do tipo de álcool que bebem.

O vinho tinto, constataram os pesquisadores, teria a capacidade de fazer as pessoas se sentirem sexy e relaxadas, mas, ao mesmo tempo, aumenta o cansaço e predispõe às lágrimas, enquanto o vinho branco teria um efeito semelhante, mas menos pronunciado. A cerveja, por outro lado, aumenta seja a sensação de relaxamento que a de confiança.

Maior agressividade com os destilados

Os cientistas também constataram que os superalcoolicos como a cachaça, a vodca e o uísque tendem a aumentar a agressividade. "Por séculos, a história do rum, do gin, da vodca e de outros destilados tem sido atormentada pela violência. Este estudo global sugere que ainda hoje o consumo deste tipo de álcool é mais provável que cause sentimentos de agressão do que outras bebidas", explica o professor Mark Bellis da Bangor University, coordenador do estudo.

Entretanto, ele ressalta que os destilados são frequentemente consumidos mais rapidamente e longe das refeições e têm concentrações de álcool muito maiores. Isto significa que o efeito estimulante no corpo é mais forte e rápido, bem como o aumento dos níveis de álcool na corrente sanguínea. O vinho e a cerveja, por outro lado, são muitas vezes consumidos mais devagar e frequentemente associados aos alimentos.

Efeito emocional

Há outra coisa importante a ser considerada: os preconceitos das pessoas também desempenham um papel importante na resposta emocional ao álcool às bebidas destiladas. Por exemplo, se as pessoas bebem vinho tinto para relaxarem, provavelmente acabam relaxando; se beberem vodca em uma festa para ficarem animadas, provavelmente se sentirão cheias de energia.

O marketing, segundo os pesquisadores, também desempenha o seu papel na história. É a promoção da própria bebida a convencer as pessoas que, ingerindo um tipo de álcool em particular, produzirão respostas emocionais positivas. Na pesquisa, segundo os autores escreveram no periódico Open BMJ- onde foi publicado o resultado do estudo, investigações como estas são importantes.

"Compreender as emoções associadas ao consumo de bebidas alcoólicas é crucial para abordar o problema do abuso, fornecendo informações sobre as quais emoções influenciam na escolha entre os diferentes grupos da população", dizem na conclusão.

"Há uma preocupação dos órgãos de saúde com relação às mudanças comportamentais causadas pelo álcool, que pode tornar o indivíduo mais intolerante e impulsivo, resultando, em muitos casos, em violência, principalmente a doméstica", explica a médica nutróloga Marcella Garcez, professora da Associação Brasileira de Nutrologia.

Algumas bebidas alcoólicas, entretanto, quando consumidas com moderação, podem, sim, trazer benefícios à saúde. "O ideal então é limitar o consumo diário a, no máximo, uma taça de até 150ml e optar sempre pelas variedades que apresentam funcionalidades como o vinho tinto seco", explica Marcella Garcez. Este, diz a médica, figura entre as bebidas alcoólicas mais saudáveis, pois, é fermentado e rico em polifenóis- como o resveratrol, substâncias com grande poder antioxidante. "Quando ingerido na quantidade adequada, o vinho tinto ainda favorece a circulação e melhora a saúde cardiovascular", diz a cirurgião vascular Aline Lamaita.

A cerveja por ser fermentada, também oferece benefícios à saúde, pois, assim como o vinho, também possui polifenóis, porém em quantidades menores. Logo, tem propriedades e funcionalidades benéficas ao organismo, lembrando que esses benefícios são obtidos com quantidades próximas a 300ml, uma lata, por dia. Volumes maiores podem trazer maléficos que superam os efeitos positivos. "Os destilados, por sua vez, não são fontes de polifenóis e possuem maior concentração de álcool em sua composição, o que reduz seus benefícios à saúde. Além disso, bebidas como cachaça, vodca, uísque e tequila tendem a ser absorvidas mais rapidamente e, no geral, são mais agressivas para o fígado. Ou seja, devem ser evitadas ou limitadas a quantidades menores que uma dose diária", diz ainda Aline.