Saúde

Remédio é coisa séria

Quase 80% da população consomem medicamentos sem prescrição; hábito pode matar


Uso e armazenamento de remédios exige cuidados rigorosos
Uso e armazenamento de remédios exige cuidados rigorosos - Pexels

Você tem mania de correr para sua farmacinha e tomar um medicamento ao menor sinal de qualquer doença? Quase todo mundo tem em casa um pequeno estoque de medicamentos que podem fazer toda a diferença em situações de emergência do dia a dia. Os mais comuns são os analgésicos, quando vem aquela dor de cabeça após um dia de trabalho, os antitérmicos - para uma febre repentina, ou os antiácidos para quando você sente indisposto após comer demais.

Mas se você tem esse hábito, cuidado. A estimativa é que até 2050, o uso excessivo de medicamentos e os consequentes casos de resistência antimicrobiana podem matar 10 milhões de pessoas. Os dados fazem parte de um relatório recente divulgado por entidades ligadas à Organização das Nações Unidas (ONU).

Hábito afeta quase 80% da população

Uma pesquisa do Conselho Federal de Farmácia (CFF) mostra a preocupação com o assunto e destaca que a automedicação é um hábito comum a 77% dos brasileiros. O índice de pessoas que tomam remédio sem orientação profissional no Brasil é maior nas regiões Norte e Centro-Oeste (80%). Em seguida, vêm as regiões Nordeste 79%), Sudeste (77%) e Sul (71%).

"Além de tomar remédios apenas sob prescrição médica, é muito importante ter cuidado na hora de ingeri-los e armazená-los. Só assim é possível garantir a eficácia do produto para aquilo que foi indicado", explica o farmacêutico Adriano Ribeiro.

Fique de olho na validade

Além do risco que a automedicação muitas vezes esconde, outro problema sério está no prazo de validade que nada mais é que a data limite na qual o fabricante garante completa segurança e eficácia do medicamento. "Após o vencimento, os elementos ativos da fórmula começam a se alterar e perdem parte de sua eficiência", diz a farmacêutica Adriana da Silveira Alonso. Em alguns casos, a única alteração será maior demora na ação do medicamento, mas podem ocorrer também efeitos colaterais e danos severos à saúde dependendo do remédio usado e do tempo que ele já está vencido.

Descarte de forma correta

Ao perceber que o medicamento está fora do prazo de validade, nada de jogar no lixo, na pia ou no vaso sanitário. Eles vão contaminar o meio ambiente, os rios, pessoas e animais que consomem alimentos produzidos na terra ou tomam a água que vem do lençol freático e consomem os peixes. Entregue em um posto de coleta.

Cuidados na armazenagem: Alguns medicamentos exigem um cuidado maior em função da exposição a fatores externos. Umidade, variação de temperatura e o contato com o oxigênio do ar podem contribuir para o surgimento de fungos e bactérias, além da degradação do produto e geração de substâncias tóxicas. Siga as orientações do médico ou do farmacêutico. Por isso, é importante sempre seguir as orientações médicas ou farmacêuticas e ler atentamente a bula.

Tome comprimido com água: Não é aconselhado ingerir medicamentos sólidos sem água ou mastigá-los. Sem o líquido, o comprimido pode ficar preso no esôfago e causar desconforto como azia, queimação, dor no peito e sensação de falta de ar. Já a mastigação pode prejudicar a absorção do medicamento pelo organismo;

Cuidado com a interação entre eles: Algumas substâncias, quando misturadas, causam interações medicamentosas que podem ser prejudiciais ao organismo ou até mesmo anular a ação esperada do medicamento. É necessário sempre consultar um médico ou farmacêutico.