Saúde

Homeopatia para desacelerar

Terapêutica utiliza substâncias da natureza para tratar a ansiedade


    • máx min
A homeopatia é uma especialidade médica reconhecida em países
A homeopatia é uma especialidade médica reconhecida em países - Pexels

O Brasil está no topo quando o assunto é ansiedade. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), mostram que 23,9% dos brasileiros apresentam algum tipo de transtorno ansioso. O grande desafio tem sido buscar fórmulas para tratamento que se aproximem do mais natural possível. Nessa hora, a homeopatia surge como uma grande aliada. Com medicamentos extraídos dos reinos naturais, diluídos e dinamizados e uma abordagem integrativa, a terapêutica contribui para a retomada do equilíbrio que atinge adultos e crianças atualmente.

A homeopatia faz parte do rol de 29 procedimentos terapêuticos integrativos oferecidos pelo Ministério da Saúde aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Antecipação de uma ameaça

A ansiedade é uma antecipação de uma ameaça e não está ligada a situações externas, nem a algo específico, é mais vago. Mas, como tudo, esse mecanismo pode ficar desregulado. O corpo continuará respondendo a uma sensação de perigo, mesmo que ela não exista. E é aí exatamente que começa o problema. Psicologicamente, a ansiedade pode monopolizar as atividades psíquicas e comprometer, desde a atenção e memória, até a interpretação fiel da realidade.

Segundo a neuropsicóloga Thaís Quaranta, todas as pessoas podem se sentir ansiosas, em diferentes níveis, em diversas situações ao longo da vida. "A ansiedade é um sentimento comum que pode surgir antes de uma viagem, de uma reunião importante, antes de uma prova, no dia do casamento, do nascimento de um filho, entre outras situações. O que pode indicar que ansiedade está fora do controle ou se tornou patológica, é quando ela interfere nas atividades e impede que a pessoa trabalhe, estude ou saia de casa", diz. Ou seja, quando causa prejuízos importantes na capacidade funcional do indivíduo.

 

A homeopatia é uma especialidade médica reconhecida em países da Europa, América do Norte, Índia e Brasil e foi crida há mais de 200 anos pelo médico alemão Samuel Hahnemann. Os medicamentos usados são extraídos dos reinos animal, mineral e vegetal. Além de ser uma terapêutica de baixo custo e poucos efeitos colaterais, sua eficácia é demonstrada tanto por artigos científico, quanto pela satisfação do paciente.

"O uso de homeopatia para ansiedade e pânico tem evidência positiva significativa, é acessível, seguro e sem efeitos colaterais consideráveis. A prescrição cuidadosa é a chave para garantir a seleção adequada do medicamento e o acompanhamento do caso", explica o médico homeopata Lucas Franco Pacheco, diretor da Associação Paulista de Homeopatia (APH). A melhora na qualidade de vida tende a ser duradoura e permeia muitos níveis de sua experiência de vida e saúde em geral.

"Apesar de individualizar cada quadro, alguns medicamentos são habitualmente usados em casos de ansiedade", explica o médico homeopata Renan Marino, professor da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp). Os resultados, segundo ele, já são sentidos desde a primeira dose. Em um intervalo que varia entre um e cinco dias de tratamento,o paciente tende perceber os efeitos da medicação, que tem sua energia potencializada.

  • Aconitum: Inquietude intensa com pânico quando em uma multidão; sente-se mais ansioso à noite;
  • Argentum Nitricum: Inquietude e ansiedade, sempre com pressa, sofrendo muito por antecipação;
  • Lachesis: Angústia por medo de contaminação, pânico do coronavírus e epidemias em geral, sempre piora após dormir ou ao acordar;
  • Aurum: Prolongada ansiedade e melancolia, com fortes sentimentos de culpa, com intolerância às frustrações, amores não correspondidos, muitas vezes com ideias suicidas;
  • Ignatia: Ansiedade e tristeza com pesar e suspiros, após perdas de entes queridos ou fim de relacionamentos;
  • Gelsemium: Ansiedade e antecipação antes de provas, dentista, médico ou encontros importantes, às vezes até com cefaleia, tremores e diarreia;

Fonte: Renan Marino, homeopata