A terapia do artesanato

Hobby

A terapia do artesanato

Artesanato ganha força durante o período de distanciamento social


A artesã Thama Otsu faz scrabooking e bijuterias
A artesã Thama Otsu faz scrabooking e bijuterias - Álbum de família

O trabalho manual é reconhecido por exigir um esforço criativo que reflete nos detalhes que tornam cada peça única. Às vezes um hobby, um trabalho voluntário ou mesmo uma atividade remunerada, mas a verdade é que o artesanato está presente na vida de milhares de pessoas. Isto porque, ao mesmo tempo em que existem aqueles que produzem o material, há os que não abrem mão de ter uma peça exclusiva, feita com todo o carinho e minúcias que só o artesanato tem.

O isolamento social provocado pela pandemia de coronavírus fez com que as pessoas ficassem mais em casa e, desta forma, destinassem boa parte do tempo para colocar em prática as habilidades manuais.

O artesanato trabalha a concentração, equilibra as emoções e ajuda a manter o equilíbrio. Não importa qual o trabalho artesanal você esteja fazendo: pintura, crochê, caixas decoradas, tricô, bordado ou outro qualquer, as vantagens terapêuticas são comprovadas.

Fotos: Álbum de família/Divulgação

A costureia Iracema Ragonha da Silva, 82 anos, a "Dona Cema" ou ainda "Ceminha" para os mais próximos, faz do artesanato uma fonte de recursos para sua saúde física, mental e o transformou em uma fonte extra de renda. "O artesanato também estreitou os laços familiares durante a pandemia, uma vez que minha filha e minha nora ajudam no processo", diz. Há mais de dois anos, o trabalho com panos de prato com aplicações em patchwork era feito nos encontros da Associação das Damas de Caridade, do Lar de Fátima, em Rio Preto. Duas vezes por ano são feitos bazares beneficentes com a venda das peças e a renda revertida para entidade.

Com o isolamento social por causa do coronavírus e o fim dos encontros semanais entre as amigas, surgiu a ideia de ocupar o tempo para produzir novas peças que passaram a ser comercializadas. "Foi muito bom para mim porque não sei ficar sem fazer nada", conta D. Cema, que após regar as plantas, passa a maior parte do tempo em seu ateliê.

Álbum de família

A artesã Thama Otsu decidiu desencaixotar seu material de scrapbooking e bijuterias que estava esquecido desde 2014 e, com o início da pandemia, improvisou um ateliê na sala de jantar. Scrapbooking é a arte de fazer um scrapbook, ou seja, o ato de montar um álbum de memórias, utilizando ferramentas artísticas e trabalhando com as lembranças.

“Eu tinha um ateliê em casa quando morava em Campinas e dava aulas, mas depois que vim para cá parei com as atividades por falta de espaço. Na quarentena que permitiu um tempo e uma organização maiores, fui tirando tudo das caixas e o estou produzindo mais do que nunca tudo o que gosto de fazer, inclusive unificando as técnicas”, diz Thama, que reveza o tempo entre o scrapbooking e a produção de bijuterias, este último com a ajuda da filha. “Já éramos muito unidas e ficamos ainda mais”, diz. A ideia é produzir peças para serem vendidas em seu próprio bazar de Natal.