Nos (tão atuais) momentos de incerteza

Saúde emocional

Nos (tão atuais) momentos de incerteza

Não existe fórmula mágica para lidar com eles. Cada um descobre uma forma de se proteger ou enfrentá-los


As incertezas fazem parte da vida e se intensificaram neste momento
As incertezas fazem parte da vida e se intensificaram neste momento - Freepik/Banco de Imagens

Todo mundo, sem exceção, já passou ou irá passar por momentos de incertezas: todos iremos nos deparar com ocorrências imprevisíveis e as "surpresas" são garantidas. Incerteza é a palavra de ordem para a maioria das pessoas na atualidade. É como uma porta fechada. Você não sabe o que encontrará do outro lado. Momentos de turbulência também acontecem com todos. Ainda mais no atual cenário que o mundo vive. Você não tem certeza se vai estar empregado na semana que vem, de que irá voltar à escola, se vai conseguir se aposentar ou executar qualquer plano feito há bastante tempo.

Tentar prever os momentos em que estaremos frente a frente com situações que são um problema com a intenção de eliminar os riscos é pura utopia. Mesmo que você esteja confiante e acredite estar preparado para enfrentar qualquer adversidade, há muita gente para te dar uma notícia não muito boa: você não está. E essas pessoas vão mais além: você não está no controle de nada. "Temos a falsa sensação de que as coisas são previsíveis, mas na realidade não controlamos nada", diz o psiquiatra Persio Ribeiro Gomes de Deus.

Justamente na fase de tantas mudanças de cenário ao nosso redor e no nosso universo particular, precisamos saber lidar com algo tão abstrato: nada é totalmente certo. O filósofo grego Epiteto (55-135) dizia: "Das coisas existentes, algumas são encargos nossos, outras não." Quando programamos nossa rotina com precisão matemática, é grande o risco de frustração se algo sair diferente do programado.Tiramos da vida a capacidade que ela tem de nos surpreender com caminhos mais interessantes que os que escolhemos.

"A cada curva, fatos repentinos nos sondam e pelo temor de enfrentarmos situações que possam evidenciar nosso descontrole, procuramos então afastar a possibilidade do inesperado", diz a psicanalista Silvana Lance. Muitos, na tentativa de se proteger, criam rotinas aparentemente imutáveis e perfeitas, se cercando de rituais e resumindo a vida a detalhes previamente planejados que, embora sem grandes emoções, podem transmitir uma sensação de segurança. "Mas já temos em nosso dia a dia rotinas suficientes impostas por situações variadas, e se além destas nos infligirmos outras minuciosamente calculadas por conta do medo dos imprevistos, tornaremos nossa vida enfadonha, deixando de vivenciar coisas importantes além de nos podar a experiência e todo o encanto da surpresa, da novidade e da superação", complementa.

Não estamos no controle

É natural querermos estar no controle e não ter de lidar com as incertezas. Fazemos planos e queremos acreditar que a vida segue de acordo com o que planejamos. Isto no dá uma sensação de segurança. Mas a incerteza vai aparecer uma hora ou outra. "No intento de aplacar os medos, tendemos a ser autoritários com a vida, impondo o domínio absoluto sobre ela, mas quando ela nos coloca diante de situações onde nosso descontrole e impotência ficam evidentes, ficamos estarrecidos, chegamos até mesmo a ficar enfurecidos reagindo com um ataque tal qual crianças frustradas diante da decepção por perdermos a direção que pensávamos possuir", diz ainda Silvana Lance.

Mas a vida nos mostra, e às vezes até mesmo de uma forma muito dura, que o máximo que podemos de fato controlar é a nós mesmos através de nossos pensamentos e escolhas. E mesmo assim vamos perceber o quanto é fácil perder o controle.

A pergunta que fica é: por que temos tanto medo do que é incerto? É que aprendemos a olhar a vida assim. Preferimos acreditar que é melhor perseverar em busca das certezas, em vez de aceitar a natureza incerta da vida.

Só que ficar longe da nossa zona de conforto pode ser positivo porque a partir daí encontraremos recursos dentro de nós para aprender a lidar com o inesperado. Fácil identificar essa zona: uma vida de mesmice, levada por levar. O trabalho é repetido todos os dias da mesma forma e as coisas são feitas automaticamente, sem muito pensar.

"Há quem até ache uma maravilha essas imutáveis rotinas que dão a falsa sensação de segurança por acontecerem sem nenhuma surpresa. Parece que tudo está sob absoluto controle. O máximo da eficiência está numa lista de itens de afazeres ticados ao final da jornada, para repeti-los sempre do mesmo jeito no dia seguinte", diz escritor Roberto Adami Tranjan, autor do livro "Rico de Verdade" (ed. Acessa).

Dançar conforme a música

"Certamente não dá para ficarmos indiferentes as situações provocadas pelos imprevistos, alguns acontecimentos transformam a vida de muitos de uma forma até mesmo radical, mas diante de qualquer situação temos de aprender a dançar conforme a música, com os pés bem firmes no chão conscientes de que não somos super heróis, somos apenas nós mesmos com toda a força da nossa extraordinária natureza de enfrentar toda e qualquer circunstância", complementa a psicanalista Silvana Lance. Se permanecermos irredutíveis diante de um imprevisto, dificultaremos ainda mais. É preciso aprender a lançar mão de novas estratégias e nos moldar as circunstâncias, acreditando em nosso potencial.

Não devemos utilizar os imprevistos como desculpas para nos livrar de situações que pedem enfrentamento ou quando algo dá errado por não estarmos devidamente preparados.

Cada um tem uma fórmula

Não existe fórmula mágica para lidar com as incertezas, cada um descobre uma forma de se proteger ou enfrentá-las. "Os imprevistos vão ocorrer sempre e cada um traz uma lição. Se buscarmos o equilíbrio interior, estaremos bem preparados quando eles acontecerem", diz ainda Silvana.

Se completa:"Certamente não dá para ficarmos indiferentes as situações provocadas pelos imprevistos, alguns acontecimentos transformam a vida de muitos de uma forma até mesmo radical, mas diante de qualquer situação temos que aprender a dançar conforme a música, com os pés bem firmes no chão, conscientes de que não somos super-heróis, somos apenas nós mesmos com toda a força da nossa extraordinária natureza de enfrentar toda e qualquer circunstância."

Se permanecermos irredutíveis diante de um complicado imprevisto, dificultaremos ainda mais. Temos de aprender a lançar mão de novas estratégias e a nos moldar as circunstâncias, acreditando em nosso potencial.