A maternidade em tempos de pandemia: um desafio diário

COMPORTAMENTO

A maternidade em tempos de pandemia: um desafio diário

Mulheres, que foram impactadas social e psicologicamente, falam da rotina de cuidar da casa, trabalho e das crianças neste período de confinamento por causa da Covid-19


Pandemia está marcando uma geração de mães que trabalham e precisam cuidar da casa e dos filhos
Pandemia está marcando uma geração de mães que trabalham e precisam cuidar da casa e dos filhos - Freepik/Divulgação

"Não tenho tempo para chorar, nem posso. Cansada, eu faço o leite das crianças bem cedinho, enquanto coloco umas peças de roupa para bater na máquina, tiro outras peças do varal, tomo um banho e ligo o computador. O restante do dia é uma loucura, numa mistura de gratidão pelas crianças estarem bem e amparadas comigo em casa e uma exaustão por ter que dar conta de tudo, inclusive bater a meta de vendas do mês no meu trabalho. Sem familiares por perto para me ajudar, eu estou exausta emocionalmente."

Esta é a confissão de uma mãe que prefere não ser identificada. "Estou tentando ressignificar tudo. Nunca a conexão com os filhos foi tão intensa. Mas não é tão fácil conciliar tudo." Assim como ela, outras mulheres estão administrando o home office, aulas online das crianças, limpeza da casa, incerteza sobre o futuro e mais outras tarefas durante a quarentena. Em home office, as mães são testadas até o limite, principalmente porque a dinâmica foi toda alterada. Muitas trabalham ainda mais em casa, enquanto tentam manter a sanidade mental.

O fato é que a rotina de uma mãe em circunstâncias normais já é cansativa e com a pandemia as dificuldades foram agravadas. O que se vê, agora, é um malabarismo para conciliar a jornada, que muitas vezes parece interminável. "O problema é que muita gente afirma que tudo isso é exagero, que mãe tem instinto e dá conta de tudo. Nosso trabalho é exaustivo e muitas vezes invisível. Sem reconhecimento e apoio, eu me sinto sozinha. O resultado é mais insônia, irritação e compulsão por doce", afirma a mãe, que é vendedora.

Apesar de ser um dos momentos mais desafiantes da vida, ela concorda que a quarentena tem proporcionado uma oportunidade única de passar um outro tipo de tempo em família, aprendendo novas formas de conviver com os pequenos, que tem 3 e 6 anos, e de ser resiliente em um período difícil. "Espero lembrar deste tempo no futuro e rir do meu desespero atual. Sigo o mantra das mães: tudo vai passar."

Em busca de controle

Mesmo com sobrecarga, muitas mulheres se sentem culpadas. Neste cenário é fundamental respeitar o limite para evitar mais estresse. Mas como encarar a maternidade real com leveza e alegria? Luciana Vera Crepaldi, que é psicológica gestalt-terapeuta, afirma que as mulheres devem parar de se cobrarem tanto. "A minha dica é: você não precisa dar conta de tudo. Algumas coisas podem ficar para amanhã, para depois. Priorizar o que precisa ser feito agora é um primeiro passo para a sua saúde mental. Coloque também suas necessidades em primeiro plano. Se você não tiver bem como vai conseguir cuidar do outro? Gosto do exemplo das instruções do avião: 'coloque a máscara primeiro em você e depois em quem estiver ao seu lado."

A sociedade ainda exige que as mães sejam perfeitas. A psicóloga Luciana afirma que é necessário deixar de lado a cobrança externa que acaba levando a exaustão, esgotamento e estresse. "Mesmo sendo mãe você pode dormir, comer, se divertir e até mesmo chorar se tiver vontade."

Muitas mães levam nas costas o mundo e mais um pouco, e elas também precisam aprender a delegar as tarefas diárias e ter parcerias em casa. "Pedir ajuda não é um sinal de fraqueza, mas sim somar forças. Deixe o pai também fazer as atividades com as crianças, chame uma amiga, vizinha, avó, ou uma ajuda especializada como uma babá ou uma diarista. Essas parcerias deixam o trabalho, dentro e fora de casa, muito mais leve e prazeroso", explica Luciana.

Um outro cenário cruel é que o mercado de trabalho é tão competitivo que não perdoa que as mulheres não estejam 100% disponíveis para a vida profissional. Neste cenário, as mães, nos tempos modernos, precisam encontrar equilíbrio entre a maternidade e a carreira. "Se permita errar. Todos estamos suscetíveis ao erro, podemos perder um prazo, chegar atrasados, discutir com um colega de trabalho e isso não nos torna profissionais piores, mas sim, humanos. Separe a cobrança que vem do outro e a que você está fazendo consigo mesma. Priorize o que é mais importante em cada momento e separe um horário para cuidar da carreira e outro para os assuntos ligados à maternidade", afirma Luciana.

 

Arquivo familiar

Com três filhos e sem uma rede de apoio, como sogra ou mãe, a consultora de vendas e social mídia Luana Priscila Melzi conta que a rotina em sua casa não é nada fácil. A rio-pretense, que trabalha das 7h30 às 18h, conta que antes de sair de casa tem que acordar e preparar o café para os filhos maiores, Heitor, de 17 anos, e Vinicius, de 11, para que façam as aulas online. O caçula, Dudu, de 4 anos, fica dormindo. Na sua uma hora e meia de almoço, ela corre para casa para almoçar com eles. Para ajudar com a rotina, ela costuma comprar comida.

Luana conta com ajuda de uma funcionária que cuida da limpeza da casa duas vezes por semana. O marido, que trabalha das 7h às 17h, é um parceiro. Como ele chega mais cedo do trabalho, ele já começa a preparar o jantar. Quando ela chega, acompanha a tarefa escolar dos meninos e organiza os afazeres da casa, como colocar roupas para lavar, estender e recolher. Também passa um pano no chão por causa do tempo seco.

Para distrair, toda quinta-feira, Luana encontra algumas amigas para tomar uma cerveja e comer petiscos e jogar conversa fora. "Meu marido super me apoia. Ele também dá uma volta com os meninos para distraírem." Aos finais de semana, ela busca fazer atividades ao ar livre com os garotos e também voltou a ir ao clube. "Além disso, quando dá tempo, eu cuido das plantas e faço crochê, que são minhas terapias. Mas confesso que não tem sido fácil, é muita correria porque não tenho com quem dividir a atenção, como uma avó, uma mãe. Tudo o que a gente faz é com os meninos juntos."

Tenha persistência

Com dois filhos, a influencer Natalia Toscano tem trabalhado bastante nesta quarentena. Ela conta que mantém uma rotina organizada para ser mãe e também empreendedora. "Realmente não está sendo fácil com esta pandemia, porque, além de tudo, as atividades externas com as crianças foram suspensas e eles acabam ficando mais entediados em casa. Eu procuro aproveitar o tempo que eu tenho com eles para que seja de recreação mesmo, brincamos bastante, andamos de bicicleta no condomínio e o tempo para as refeições. Sempre faço de tudo para ter um tempo de qualidade."

Para fazer tudo isto, Natalia conta com ajuda do marido, das avós e também de funcionárias. No entanto, ela sabe que muitas mulheres que não tem este privilégio, mas também querem empreender e ter qualidade de vida. "Uma dica que deixo para as mulheres, que não tem o privilégio de ter alguém para ajudar com as crianças e nas funções domésticas, é dividir as tarefas com o marido e nunca desistir de seus sonhos, focar e persistir. Com certeza, se organizar uma rotina e ter uma ajuda do marido, a gente consegue."

Divulgação

Apesar da rotina exaustiva, a maior alegria para algumas mães é poder acompanhar o desenvolvimento das crianças diariamente. O desafio, neste caso, é reinventar uma rotina para agradar as crianças que estão longe da escola, sem ver os amigos e sem sair de casa para brincar.

A empresária Ana Paula Octaviani é uma das que estão se reinventando na quarentena para ajudar outras famílias. Mãe dos gêmeos Emilio e Ana Clara, de 9 anos, ela conta que também não é fácil conciliar a rotina profissional e das crianças em casa por causa da pandemia. "No início foi muito complicado, pois já tínhamos uma rotina e tudo mudou. Mas, como meu trabalho também parou, não tive que adaptar muitas coisas, mas apenas não surtar por não poder trabalhar e ficar integral com eles."

Proprietária de um empresa de entretenimento infantil, Ana Paula conta que, diante de tantos desafios, houve também muito aprendizado e mudanças na rotina, como ajudar mais as crianças com os estudos, estar mais presente nas atividades que antes eram delegadas. Ela explica que o seu trabalho nasceu por conta dos meus filhos. No entanto, por alguns momentos, ela ficou ausente para trabalhar. "Nessa pandemia, eu pude resgatar essa essência que, com o dia dia, eu não via o tanto que era importante."

Neste tempo livre, Ana conseguiu até lançar um novo projeto gratuito dentro da sua empresa. Trata-se do "Histórias Mágicas", que são vídeos com histórias clássicas da Disney narrados por princesas. "A ideia foi levar um pouco de alegria para as crianças que estão isoladas durante a pandemia." Os vídeos podem ser acessados no canal @Mundinho Kids Rio Preto no Youtube. Um diferencial é que os vídeos contam a participação de uma intérprete para a tradução para a Língua Brasileira de Sinais (Libras). "Nós também pensamos em nossas crianças que possuem alguma deficiência auditiva porque hoje em dia é tão difícil essa acessibilidade a elas".