Deixe-se ser contagiado pelas (boas) emoções

Comportamento

Deixe-se ser contagiado pelas (boas) emoções

Somos influenciados pelo estado de espírito dos outros. A regra vale para o bem ou para o mal


Somos afetados pelo estado de espírito das pessoas com as quais nos relacionamos
Somos afetados pelo estado de espírito das pessoas com as quais nos relacionamos - Pixabay/Banco de Imagens

A cena certamente é conhecida: um colega chega mal humorado no trabalho, reclamando que tudo está dando errado desde a hora que acordou e logo uma verdadeira rede negativa toma conta do ambiente. Todo mundo terá uma história desagradável para contar. Entretanto, ainda bem que se outra pessoa chega alegre e feliz, contando uma situação positiva, em poucos minutos uma onda de ânimo toma conta do ambiente. A verdade é que interagir com uma pessoa feliz é agradável e contagiante, assim como interagir com um ranzinza pode dar início a uma epidemia de mau humor.

Portadores e transmissores

A explicação é razoável: somos portadores e transmissores dessas emoções e também as recebemos, mas nem sempre percebemos. Há pessoas com capacidade de transmitir seu mau humor, seu ciúme, seu egoísmo, sua tristeza e seu medo, assim como há outras capazes de nos impregnar de sua emoção e entusiasmo pela vida. É mais fácil para nós identificar os efeitos que os outros deixam em nós.

O psicólogo John Cacioppo, da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, garante que as pessoas que estão perto de outras que se sentem solitárias acabam por assumir essa sensação de falta de companhia. Somos influenciados pelo estado de espírito dos outros. A regra vale para o bem ou para o mal.

Se o medo contagia, a felicidade também. Durante 20 anos, cerca de 5 mil norte-americanos de uma mesma cidade tiveram suas interações mapeadas por pesquisadores da Universidade de Harvard. A oscilação de emoções do grupo mostrou que uma pessoa é capaz de influenciar não só sua rede de contatos, mas também a rede de contatos dos seus contatos. A pesquisa sugere que, se você for mais feliz, um amigo que mora perto tem 25% mais chance de ser feliz também, e assim por diante.

Também os pesquisadores Lisa Neff, da Universidade do Texas, e Benjamin Karney, da Universidade da Califórnia, ambas também nos Estados Unidos, estudaram o mesmo fenômeno em casais e como o estresse influenciava o parceiro, o que demonstra que, afinal temos mesmo potencial para influenciar.

Uma pesquisa constatou que as emoções podem ser tão contagiosas quanto a gripe. Para a psicóloga Elaine Hatfield, da Universidade do Havaí, por meio do contato no ambiente de trabalho podemos absorver o estresse e a alegria dos outros. Segundo ela, o contágio emocional começa com a mímica das expressões faciais, vocais e de postura que as pessoas tendem a fazer dos outros quase que automaticamente, mesmo sem perceber. "Ao imitar as expressões do outro, acabamos sentindo uma reflexão sutil dos sentimentos daquela pessoa, o que resulta em eventualmente 'pegar' suas emoções", disse Elaine.

Esse ramo da psicologia tenta explicar casos de histeria coletiva ou epidemias de doenças psicológicas, mas o princípio do contágio emocional vale para qualquer situação. Em um ambiente de trabalho, por exemplo, o contato constante entre as pessoas pode resultar em uma contaminação mais profunda, diz Elaine. Mas você não precisa passar muito tempo com alguém para absorver suas emoções; às vezes a transmissão acontece em um milissegundo. A pesquisa também sugere que pessoas que já estão estressadas ou emocionalmente frágeis são mais suscetíveis à contaminação.

Mulheres são mais suscetíveis

Mulheres também são mais suscetíveis a serem contaminadas pelas emoções dos outros, mas segundo Elaine Hatfield, apenas porque costumam prestar mais atenção a gestos e expressões do que os homens. "Qualquer pessoa que demonstre um pouco mais de sensibilidade em relação ao colega ou que preste muita atenção em um interlocutor vai absorver emoções", disse ainda.