A hora certa

Comportamento

A hora certa

Tudo acontece no momento oportuno? Devemos esperar ou agir?


Podemos fazer coisas bonitas a qualquer hora, principalmente nas inesperadas
Podemos fazer coisas bonitas a qualquer hora, principalmente nas inesperadas - Pixabay/Banco de Imagens

Em todas as épocas uma das grandes questões do ser humano sempre foi: existe a hora certa para que alguma coisa aconteça em nossas vidas? A chegada de um amor, um novo emprego, uma mudança de cidade? Será que para tudo na vida existe o momento certo, o tempo apropriado para fazer as coisas? Ou, simplesmente, devemos esperar que as coisas aconteçam?

"A sede de descobrir a hora certa das coisas vem de muito tempo. Ainda pequenos, perguntávamos se era hora de comer ou de brincar. Mais além, questionávamos a hora certa em que chegaríamos a determinado lugar. A resposta nem sempre vinha, mas ali nascia essa cisma em ajustar os ponteiros do relógio em busca do momento adequado para quase tudo na vida. Mais crescidos, amadurecemos e refinamos os pensamentos. E continuamos na mesma procura: seria a hora correta de pedir um aumento, de pedir para sair do emprego, de pedir licença na fila do ônibus, de pedir desculpas ao pai por uma briga sem sentido?", diz a escritora Thaís de Ferrand em uma crônica.

"Toda vez que você iniciar é o momento certo", diz um ensinamento filosófico indiano. Isso significa que, por essa chamada em alguns textos de "lei espiritual", tudo começa na hora certa: nem antes, nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas é o momento em que as coisas acontecem.

Mas alguns estudiosos garantem: é importante compreender que não se trata de um determinismo e que somos nós quem temos de reconhecer esse momento para fazer o que tem de ser feito e colher os frutos já maduros. É preciso muitas vezes agir com sabedoria. O conceito geral é que sabedoria é um certo conjunto de inteligência e paciência, esperar a hora certa para fazer isso e aquilo. Por essa lógica, um sábio é aquele que tem paciência para com as coisas e inteligência para executá-las, decide corretamente. Ai as coisas acontecem.

"Se reconhecermos o momento certo, tudo muda e esse processo será facilitado. É tudo uma questão de consciência", explica a terapeuta Viviane Torquato. Quando o tempo certo é reconhecido e nele realizamos o que para o nosso próprio bem necessita ser realizado, estaremos naturalmente entrando no fluxo natural das boas energias. "A partir deste momento, tudo passa a ter uma força maior, renovada para que tudo, seja lá o que for, aconteça da melhor forma possível", diz ainda. Mas é importante, antes de mais nada, avaliar todas as questões, os conflitos e, diante de uma reflexão honesta, tomar as medidas corretas.

 

Existem pessoas que estão sempre vivendo no futuro, impacientes para que as coisas aconteçam. Outras acreditam que tudo acontece na hora certa e se baseiam nisso para permanecerem inertes. "Caso se identifique com um desses tipos de comportamento, saiba que nenhum deles é ideal, pois a melhor opção é seguir pelo caminho do meio, ou seja, fazer o que estiver ao seu alcance para alcançar um objetivo, mas sem alimentar a ansiedade pelo resultado, pois tudo precisa de tempo para acontecer", explica o coach José Roberto Marques.

Realmente, tudo tem a hora certa para acontecer e, na grande maioria das vezes, não temos como prever quando será esse momento. Entretanto, é preciso também agir e dar o seu melhor para alcançar as suas metas. "Podemos considerar que o sucesso é fruto da combinação da ação com boas doses de paciência. Aqueles que têm esses dois elementos a seu favor chegam longe", diz ainda.

O processo de saber identificar o momento certo-, mais uma vez, acredite, passa pelo autoconhecimento para fazermos escolhas conscientes e não automáticas e inconscientes para conseguir o que queremos. Para alguns, nunca teremos as respostas. "Mudamos o analógico para o digital e continuamos insistentemente olhando o relógio. Será que podemos sair mais cedo do trabalho para ir ao banco? Podemos ficar até mais tarde por aqui? Seria cedo ligar no dia seguinte, após um bonito encontro, ou tarde demais para ligar depois de um rompimento? Quem saberia, de fato, a hora certa?", diz ainda Thaís de Ferrand.

E continua: "Assim, vivemos: morrendo de medo da hora errada porque a responsabilidade de ajustar os ponteiros da alma até encontrar a certa é grande demais. A verdade é que a gente nunca sabe se a hora está certa. Brincamos de adivinhar a todo o tempo. Apenas torcemos para que a hora em que decidirmos seja o exato momento em que as coisas deveriam acontecer. Podemos fazer coisas bonitas a qualquer hora, principalmente nas inesperadas. Da mesma forma, podemos estragar tudo, mesmo que estejamos diante do horário mais preciso. Não adianta, por isso, marcar na agenda, controlar o horário e cronometrar tudo. Perdemos, assim, não a hora certa, mas a chance de descobrir a espontaneidade da nossa hora."