Cuidar de plantas é alternativa para enfrentar a pandemia

COMPORTAMENTO

Cuidar de plantas é alternativa para enfrentar a pandemia

Com a pandemia do coronavírus, as pessoas estão se dedicando mais ao cultivo de ervas medicinais, temperos e outras plantas em casa. Especialista comemora a atitude e lança projeto 'Medicina de Quintal'


Formada em agronomia, Mariana Gagliardi é produtora agroecológica e está coordenando o projeto Medicina de Quintal
Formada em agronomia, Mariana Gagliardi é produtora agroecológica e está coordenando o projeto Medicina de Quintal - Larissa Macena/Divulgação

Dizem que toda pessoa deve plantar uma árvore. E, agora tempos de prevenção à Covid-19, o mandamento popular nunca foi tão praticado. A jardinagem, em tempos de pandemia, se tornou algo terapêutico principalmente para quem vive em cidade grande, como Rio Preto. No quintal ou na calçada de casa, a jardinagem também contribui, no mínimo, para deixar o ambiente mais bonito. Basta criar uma jardineira, um terrário ou uma horta vertical em uma varanda de apartamento e colocar plantas próprias para áreas internas de residências ou escritórios para deixar o lugar mais agradável.

O cuidado com as plantas medicinais é tema de uma oficina do Projeto Território Cênico 2020. A produtora agroecológica Mariana Gagliardi, que é formada em agronomia, está comandando a iniciativa "Medicina de Quintal", que é uma pesquisa que propõe resgatar, registrar e compartilhar conhecimentos sobre cultivo e uso popular das plantas medicinais. Pode participar qualquer pessoa, de qualquer idade, que tenha uma planta medicinal em seu quintal e faça uso dela e que queira compartilhar sua história e conhecimento sobre elas. Interessados devem se inscrever até nesta sexta-feira, 31, no site da Cia.Cênica (http://ciacenica.com.br/sit/medicinadequintal/).

Mariana explica que cada participante deve enviar um vídeo mostrando seu quintal e suas plantas medicinais, contando sua história com essas plantas, de que forma eles a utilizam e para quê. "O objetivo é justamente fazer um resgate dessa cultura popular e preservar estas memórias à partir das histórias e vivências de cada um com as plantas medicinais. Uma mesma planta pode ter indicações para tratamento diferentes e várias formas de uso, muitos que não temos conhecimento. E, com a vivência e receitas compartilhadas de cada participante, será criada uma cartilha com essas informações que ficará disponível para consulta online."

O conhecimento das plantas medicinais é passado de boca em boca, de geração para geração, e com o tempo, vai se perdendo. Neste cenário, Mariana decidiu lançar o projeto. "Eu guardo e armazeno essas memórias que aprendi com minha vó, meu pai. É uma cultura popular e ancestral. Quase todo mundo já utilizou alguma planta medicinal como forma de auxílio no tratamento e/ou para aliviar sintomas de algumas doenças, seja por meio de chás, banhos de assento, compressas, etc. E essas indicações de tratamento quase sempre vem de familiares mais velhos e, quando isso não é registrado, corre-se o risco de cair no esquecimento. Com isso, minha vontade era/é de manter viva essas memórias. E, com a parceria da Larissa Macena, que é produtora cultural, preservar esse patrimônio cultural e deixar registrado, para que outras pessoas possam ter acesso a esse conhecimento."

No 19 de setembro será publicado um vídeo nas redes sociais da Cia Cênica a cartilha online com o resultado da pesquisa "Medicina de Quintal". "À partir deste domingo, 2 de agosto, será divulgado o primeiro vídeo de um participante nas redes sociais da companhia. E à partir daí, todo domingo sai um vídeo novo. Ao final do projeto, em setembro, iremos soltar a cartilha pronta com todas as informações obtidas durante a pesquisa com cada participante e um compilado de todos esses vídeos individuais que recebermos."

Para Mariana, a jardinagem também é uma oportunidade de produzir seu próprio alimento de forma saudável. "Estamos acostumados a ver alimentos produzidos em grande escala e em grandes espaços e quando a gente percebe que conseguimos cultivar algumas coisas em vasos e no nosso próprio quintal a gente consegue mudar nossa relação com o alimento, com a natureza e até entender melhor o trabalho e a importância do agricultor que está presente diariamente em nossas vidas. Então, para além de uma terapia, acredito que a jardinagem também seja um ato político, capaz de jogar luz à forma de produzir alimento, que pode sim ser saudável, sem veneno e com respeito a terra e a nossa saúde."

Divulgação

Antes mesmo da pandemia, o cultivo de plantas vivia um boom entre moradores de Rio Preto e região. Com a quarentena e isolamento, a procura aumentou. As pessoas querem montar horta em casa, cultivar ervas em vasinhos para ter ingredientes frescos e saudáveis com facilidade e mexer com a terra para acalmar os ânimos. Para Ronaldo Celeguini, proprietário da Jardim Zen Floricultura, o aumento no interesse pelo cultivo de plantas está evidente . "Isso já vinha crescendo e com a pandemia, acredito que pelo fato de as pessoas ficarem mais em casa, a procura aumentou bastante."

Celeguini afirma que não existem regras importantes para quem quer começar uma horta em casa ou fazer um jardim com plantas, mas alguns detalhes devem ser considerados. "A primeira pergunta que uma pessoa deve fazer quando vai comprar uma planta é: 'Essa planta necessita de sol ou de sombra?. Depois de estudar a própria casa, saber quanto tempo cada cantinho recebe de luz solar ou não. Quando comprar uma planta é preciso controlar a ansiedade de chegar em casa e já replantar. Aguarde pelo menos duas semanas para que a planta aclimate, ou seja, se adapte ao clima da sua casa. Só transplante em casos extremos, com raízes saindo pelos furos do vaso e ausência de substrato. Mesmo assim, eu recomendo que faça sem podar as raízes. Aumenta muito a chance de sobrevivência da planta." Ele também sugere escolher plantas da sua região. "Criar pequenos ecossistemas e cultivar plantas isoladamente pode gerar esquecimentos de rega, adubação".

A jardinagem promove momentos deliciosos de relaxamento, concentração e bem-estar, segundo Celeguini. "Lembro que no colegial eu tinha um professor de física que defendia com números, cálculos e tudo mais os benefícios de abraçar uma árvore, e o equilíbrio de prótons e nêutrons. Acredito nos benefícios, principalmente no estímulo da concentração. O cultivo de uma planta exige paciência e observação. Se o clima muda, a planta muda, se coloco uma planta em determinado lugar e ela não vai bem, preciso trocar de lugar. As folhas, tronco e galhos irão te dizer como está o substrato da planta, como está a rega. Molhando demais ou molhando pouco. Isso tudo a planta vai te dizer."

Ronaldo Ronan Rufino/Divulgação
  • Samambaia - Estão super em alta na decoração de interiores. Não gostam de sol, mas se dão bem em ambientes quentes. Preenchem o espaço com volume e beleza
  • Suculentas - São muito conhecidas por suas folhas gordinhas e podem ser encontradas em diversas cores e formatos. Só devem ser regadas quando o solo estiver seco e costumam ser as mais escolhidas para ambientes internos. Como oferecem uma grande variedade, formam uma composição linda e criativa
  • Babosa - Precisa ser plantada em vasos de tamanho médio a grande, deve ser regada apenas uma vez por semana e precisa de um pouco da luz do sol, por isso os locais próximos a janelas são excelentes
  • Costela de Adão - Apesar das folhas grandes, é uma espécie de planta pequena. Se adapta bem a diferentes ambientes, são fortes e resistentes, mas não apreciam luz solar direta. Se adaptam bem em vasos de terra ou de água
  • Dracena - A dracena possui aspecto de arbusto, mas, quando cultivada em ambientes internos, conservam portes proporcionais. A planta gera algumas flores e não precisa ser regada com muita frequência. Cresce com facilidade e é ótima para vasos de chão em salas de estar. Para quem procura uma planta para dentro de casa com volume e beleza, a dracena é a opção perfeita
  • Espada São Jorge - uma bela espécie para ambientes internos, possui folhas grossas e longas, com tons em verde mesclado. Ajuda a melhorar a qualidade do ar e deixa o ambiente mais fresco. Se adapta muito bem plantadas em vasos

Fonte: Ana Paula Pimentel, arquiteta do grupo A.Yoshii

O biólogo paisagista Heitor Liporacci, da H Plant paisagismo, afirma que, apesar do momento triste que estamos passando com a quarentena, o isolamento fez com que as pessoas refletirem sobre os momentos simples do dia-a-dia. Para ele, cuidar de plantas traz calmaria, bem-estar, paz e relaxamento. “A prática da jardinagem sem sombra de dúvidas permite essa conexão interior com o que a natureza nos oferece de mais belo. Entrar em contato com a terra, sujar as mãos, adubar e criar com as diversas formas e cores das plantas, tudo isso nos permite uma sessão de terapia sem custo. Só necessitamos de cinco elementos, seja a visão para admirar, o olfato para sentir o perfume de uma flor, a audição para escutar o balançar das folhas, o paladar para degustar um fruto delicioso e o tato para sentir a textura do tronco de uma árvore. A natureza cura, as plantas curam, a jardinagem cura! Aposte nessa rotina.”

As suculentas, segundo Liporacci, já estavam em auge antes da pandemia, porém muitas pessoas neste período de quarentena descobriram nelas uma forma tanto para distrair a cabeça, como para ganhar dinheiro. “Se vê recentemente um aumento significativo de pessoas que começaram a trabalhar com suculentas em casa, seja para a venda de vasos avulsos como na elaboração de arranjos de mesa. Para se trabalhar com suculentas é necessário primeiramente um estudo prévio da biologia dessas espécies, entender de onde elas são originárias, como cultivar, quais são suas características, qual o solo ideal para plantio, enfim, saber com que planta você está lidando. Você adquirindo essa expertise, você poderá se arriscar na elaboração de um jardim de Suculentas, algo raro em nosso paisagismo atualmente.”

De acordo como biólogo paisagista, as suculentas se tornaram a grande sensação botânica nos últimos anos devido a alguns fatores. “Primeiramente se tratando de características morfológicas, a diversidade de cores, texturas e formatos é algo que impressiona nesse grupo de plantas. Existem suculentas com uma infinidade de cores, desde cores mais frias até cores quentes, existem suculentas de texturas rugosa, lisa, áspera e espinhosa. A natureza é tão perfeita que até criou suculentas com as folhas em formato de golfinho, orelha de gato e rabo de macaco. É algo divino não é mesmo?”, reflete.

Heitor Liporacci afirma que a pessoa que quer ter um momento de paz e relaxamento em casa, deve começar a praticar a jardinagem. “Você esquece seus problemas rapidinho, pelo menos por algumas horas. Pode ter certeza que você irá se conectar com seres vivos maravilhosos, e o melhor, elas não falam, não reclamam e não respondem, enfim, não te darão dor de cabeça nenhuma, plantas só querem carinho e atenção, e claro, um bom local para serem cultivadas e bem cuidadas. A terapia da jardinagem já está sendo utilizada atualmente como forma de recuperação de viciados, pessoas com depressão e deficit de atenção, ou seja, os benefícios da jardinagem não é uma descoberta recente, o que falta é o interesse das pessoas em se distrair com o simples e o natural. Vamos esquecer um pouco os celulares, computadores e jogos eletrônicos. A natureza nos ensina lições que nenhum equipamento criado pelo homem ensina! Pensem nisso.”