Não desperdice sua energia

Comportamento

Não desperdice sua energia

Tentar mudar o outro não é sua tarefa. Escolha as batalham que valem a pena


 É importante ter respeito à verdade do outro, a permissão, a compreensão e a aceitação
É importante ter respeito à verdade do outro, a permissão, a compreensão e a aceitação - Freepik/Banco de Imagens

Todo mundo passa por isso na vida. Quer seja em casa, ou com amigos numa roda, seja no trabalho ou ainda na faculdade, quem nunca tentou mudar as pessoas, simplesmente pelo fato de não concordar com o que elas pensam ou com a forma que vivem? E, muitas vezes, certamente você deve ter empregado uma grande quantidade de energia nessa tarefa, tentando reunir argumentos, tentando convencê-la mudar.

Geralmente todas essas tentativas são frustradas porque o outro não muda. O resultado é uma frustração muito grande, pois possivelmente você deve ter gasto muita energia nessa tarefa. O segredo é parar de tentar fazer isso, pois o outro está totalmente fora do controle. A pergunta é: há solução pra reequilibrar as coisas? Sim, há. Colocar sua energia onde ela merece estar. A única pessoa que você pode mudar é você mesma. Não gaste sua energia tentando mudar as pessoas: gaste-a mudando você mesmo.

"Temos uma quantidade atribuída de energia a qual deveria buscá-la e utilizá-la de forma positiva e não gasta à toa", diz o professor e escritor Lauro Luiz Chielle no livro "Remédio da Alma- Espiritualidade, motivação e positividade" (ed. Autografia). É essa energia que permite que você tenha uma atitude positiva ao se deparar com situações fora do seu cotidiano. "Podemos renovar essa energia todos os dias trazendo à superfície os nossos pontos fortes, talentos e tudo o que nos permite sobressair como indivíduos", diz ainda.

O segredo está na aceitação. Não se trata de resignação, mas nada fará você gastar mais energia do que resistir e lutar contra uma situação que você não pode mudar. "É preciso tentar mudar o que não é bom, mas sempre avaliando a energia que você gasta para isso", afirma Chielle. Depois, avalie o resultado. Valeu a pena?

"Parem com a necessidade neurótica de tentar mudar os outros. Ninguém muda ninguém. Quem cobra mais dos outros do que de si mesmo está apto a trabalhar numa financeira, mas não com seres humanos", escreve o psiquiatra e escritor Augusto Cury no livro "O Vendedor de Sonhos- O chamado" (ed. Academia).

 

Tudo aquilo que acreditamos passa a ser nossa verdade. Nossas experiências e nossa percepção da vida também constroem essa realidade. "Quando vivemos de acordo com nossas verdades, agimos afinados com nossas convicções e isto nos traz paz e autoconfiança, pois nos sentimos mais conhecedores de certos contextos, mas principalmente, conhecedores de nós mesmos. Isto nos traz firmeza de caráter, de opiniões e propósitos", explica a terapeuta holística Vânia Medeiros.

Mas é importante que a firmeza e a autoconfiança não se transformem em arrogância. Quando isto acontece, vemos os grandes conflitos acontecerem. Precisamos defender nossa verdade, mas com respeito e compreensão para com o outro, pois devemos lembrar sempre que o outro também tem a dele. Portanto é extremamente importante o respeito à verdade do outro, a permissão, a compreensão e a aceitação. "Quando aprendemos a respeitar a verdade do outro nos tornamos flexíveis, crescemos e agregamos conhecimento e experiências. Podemos não concordar, assim como nem sempre concordam com a gente, mas respeitando as verdades e convicções dos outros, viveremos em harmonia e conciliação", complementa Vânia.

Permitir que o outro compartilhe conosco a sua verdade não nos torna submissos ou omissos, nem influenciáveis. Significa simplesmente que somos capazes de ouvir, compreender e respeitar os outros e que temos humildade para aceitar também uma nova verdade, se concordarmos com ela, afinal, as verdades não são absolutas, nem imutáveis. Nós mudamos com o tempo e nossas verdades mudam também. Aceitação e respeito nos torna agregadores.