Comportamento

Os ladrões da sua energia

Dalai Lama ajuda você a reconhecê-los e a renovar suas forças


Todos podemos renovar essas energias e aproveitá-las ao máximo
Todos podemos renovar essas energias e aproveitá-las ao máximo - Unsplash

Todos nós temos uma carga de energia usada nas nossas atividades que devemos aprender a usar corretamente. O domínio dessa força e o poder de ter acesso a ela para ser usada diariamente depende de cada um de nós. Entretanto, existem alguns agentes externos e internos que podem interferir nos níveis dessa energia. O resultado é uma queda da motivação, do humor e da produtividade.

As energias são a chave para superar todos os desafios. Todos podemos renovar essas energias e aproveitá-las ao máximo para vir à tona nossas qualidades, nossos talentos e tudo o que nos permite nos destacar como pessoas. Mas você sabe quais são os vilões que sugam a sua energia? Tenzin Gyatso- o atual Dalai Lama, o mais alto sacerdote do budismo tibetano, aponta alguns desses vilões. Basta você identificar quais são eles no seu caminho e renovar suas forças.

 

Afaste-se de pessoas tóxicas:


"Deixe ir as pessoas que somente chegam para compartilhar queixas, problemas, histórias desastrosas, medos e julgamentos dos outros. Se alguém procura uma lixeira para deixar o seu lixo, não deixe que seja a sua mente." Se você prestar atenção e olhar ao seu redor, vai perceber logo que está cercado de pessoas "tóxicas", afinal, todo mundo conhece gente assim: elas são egocêntricas, interesseiras, manipuladoras, arrogantes, invejosas, mal amadas, amarguradas, rancorosas ou fracassadas, que não conseguem ver felicidade alheia ou o sucesso de quem está por perto. São sombrias. Minam amizades e relacionamentos com suas constantes críticas excessivas, intrigas, ou falta de consideração e respeito pelo outro. São perigosas para o convívio diário. São pessoas que, de algum modo, acabam nos envenenando também e corremos o risco de, por imprevidência ou despreparo, agir da mesma forma por meio de atitudes ou omissões, por influência delas. "São literalmente tóxicas, seu padrão mental emite uma frequência nociva, que pode interferir na frequência mental dos outros, interferem nos ambientes e até mesmo em situações diversas", diz a terapeuta holística Vânia Medeiros.

Cumprir as promessas:


"Se não cumpriu as suas promessas, pergunte-se por que tem resistência. Tem sempre o direito a mudar de opinião, a desculpar-se, a compensar, a renegociar e a oferecer alternativa ante uma promessa não cumprida. A forma mais fácil de evitar o não-cumprimento com algo que não quer fazer, é dizer não desde o princípio." Deixar de cumprir uma promessa é uma das causas que mais contribui para sua energia despencar. E todo mundo sempre faz promessas: fazer uma atividade física e perder aqueles quilinhos, parar de fumar, organizar melhor sua agenda, ser mais regrado, guardar dinheiro. Não prometa algo que não poderá cumprir. Por outro lado, cumprindo, será reabastecido com um sentimento de satisfação que, consequentemente, aumentará a sua energia positiva. O canadense Michael Inzlicht, da Universidade de Toronto mostrou que o problema que leva a não cumprir está em uma estrutura do cérebro conhecida como córtex cingulado anterior, envolvido na detecção de erros e que dá o alarme quando fazemos algo diferente do que pretendíamos. Quando o sistema é usado demais, a capacidade se deteriora e temos mais dificuldades em controlar nossas reações.

Descansar e agir:


"Permita-se descansar se estiver num momento em que necessita e permita-se agir se estiver num momento de oportunidade." Você deve reconhecer quando é hora de descansar para não esgotar suas energias. É importante conhecer os próprios limites para mudar a percepção sobre as pressões. "Valorizar os momentos de lazer, também é fundamental. Leia um livro, reveja fotos que te despertem emoções positivas, ouça música, brinque com seu bichinho de estimação", recomenda a escritora e especialista em comportamento Branca Barão. Relaxar é a palavra de ordem. Quanto menos você focar no que ainda não aconteceu, maiores são as chances de sua vida melhorar. Foque no agora, a vida é o que nos acontece a cada momento. Quando estiver revigorado, volte a agir

Arrume e reorganize:


"Tire, arrume e organize, nada te toma mais energia do que um espaço desordenado e cheio de coisas do passado que já não precisa." Independente do motivo que nos leva a juntar coisas e sentimentos, a conclusão é ruim. "Muitas vezes, em de nos dar identidade, esses objetos e pensamentos nos soterram e deixamos de ser nós mesmos", diz Gail Blanke, especialista norte-americana em motivação e organização no livro "Jogue Fora 50 Coisas" (ed. Ediouro). Ao abrir mão das coisas que não têm mais valor ou utilidade, sua essência realmente irá aparecer.

Enfrente as situações:


"Enfrente as situações tóxicas que está a tolerar, desde resgatar um amigo ou um familiar, até tolerar ações negativas de um companheiro ou grupo. Tome a ação necessária." Todos nós temos nossos monstros interiores que nos aterrorizam, a maioria deles escondidos e bem camuflados no nosso íntimo."São monstros que vivem e convivem conosco, escondidos no fundo de nossa alma, mesmo que, por vergonha, tendemos a não admitir sua existência dentro de nós", diz a médica Rosemery Nunes Cardoso. "Conseguir controlar essas feras dentro de nós, às vezes, é impossível, e esses monstros, sob a forma de sentimentos insolentes, afloram do nosso íntimo, e nos transfiguramos, nos transformamos em monstros inimagináveis, capazes de males como ódio, inveja e outros sentimentos não lá muito nobres", complementa Rosemery. Enfrente esses monstros.

Perdoar:

"Perdoe. Deixe ir uma situação que esteja a causar dor. Pode sempre escolher deixar a dor ir embora." Pode até ser um pouco difícil - dependendo da situação que gerou atritos -, mas poucas coisas nos proporciona mais alívio do que perdoar uma ofensa que vinha nos corroendo. Quando deixamos de lado o ressentimento, sentimos que estamos repentinamente liberados. Perdoar não é admitir que você estava certo ou errado. Trata-se apenas de libertar-se do que aconteceu. O perdão serve na verdade para te libertar de ser vítima a vida inteira. Em seu conhecido livro "Você Pode Curar Sua Vida" (ed. Best Seller), a escritora e conferencista norte-americana Louise L. Hay destaca a importância de perdoarmos aos outros e a nós mesmos por erros e fracassos do passado. Para ela, ressentimento, crítica e culpa são os padrões mentais mais prejudiciais à saúde e grandes ladrões de energia.