Saúde emocional

Onde mora seu silêncio?

Você pode silenciar a mente sem que tenha de fechar os ouvidos


    • máx min
Você pode silenciar a mente sem que tenha de fechar seus ouvidos
Você pode silenciar a mente sem que tenha de fechar seus ouvidos - Freepik/Banco de Imagens

Em um mundo cheio de ruídos, com tantas distrações e coisas para fazer ao mesmo tempo, está para ser inventada uma coisa tão benéfica quando a prática do silêncio. Raridade esse estado. E o pior é que pouca gente ainda se disponha a experimentar os benefícios que ele pode oferecer para o bem-estar, para a energia interna, para o autoconhecimento, para a paz interior e, principalmente, para a felicidade.

Silenciar é um desafio. O barulho não para. Buzinas, músicas, obras, televisão, celulares e uma infinidade de sons estão por toda a parte. Esses ruídos já foram incorporados ao dia a dia e, na ausência deles, é comum sentir uma espécie de desamparo.

Um estudo feito pelos pesquisadores Roger E. Bohn e James E. Short, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, indica que cada um consome diariamente cerca de 34 GB de dados diariamente, entre internet, TV, rádio, jogos, jornais ou livros, num total de 20 fontes de informação. Isso dá 100.564 palavras processadas pelo cérebro.

Algumas linhas terapêuticas e filosofias pregam que silenciar os pensamentos - nem que seja por um minuto diário, promove um equilíbrio, diminuindo o caos interno e, consequentemente, amenizando ou prevenindo o aparecimento de depressão, tristeza, ansiedade e outras doenças.

O escritor alemão Eckhart Tolle diz no livro "O Poder do Agora" (ed. Sextante) que o silêncio ajuda, mas você não precisa dele para encontrar a calma. "Mesmo se houver barulho por perto, você pode perceber a calma por baixo do ruído, do espaço em que surge o ruído. Esse é o espaço interior da percepção pura, da própria consciência. Você pode se dar conta dessa percepção como um pano de fundo para tudo o que seus sentidos apreendem, para todos os seus pensamentos. Dar-se conta da percepção é o início da calma interior", escreveu.

"Precisamos fechar os olhos e olhar para dentro todos os dias. Podemos chamar isto de meditação, respiração, ioga, algo que você faça para parar de olhar para fora e começar a olhar para dentro", diz Adriana Ambrósio, da Fundação Arte de Viver.

Você mais consciente

Encontrar esse silêncio é importante para que você se torne consciente de você mesmo e não mais reaja e sim passe agir perante a vida. "As pessoas não se permitem desligar um pouco desses estímulos e também se colocar nesse encontro com ela mesmo e sua voz interior. O resultado disso são pessoas extremamente ansiosas, insatisfeitas e essa insatisfação ocorre exatamente pelas pessoas não saberem o que querem e isso só é possível quando olhamos para dentro", diz a terapeuta holística Vânia Medeiros. O resultado desses barulhos e estímulos externos? "As pessoas vão ficando cada vez mais ansiosas, o que acaba gerando outros problemas e isso vai nos colocando cada vez mais em colapso", complementa.

É preciso buscar a quietude

Não dá para negar que sons e ruídos são mensagens importantes. Segundo Coen Sensei, monja zen budista, muitas vezes a vida humana pode ser salva pela capacidade de ouvir. Sendo assim, é interessante buscar o silêncio interno sem que para isso seja preciso colocar tampões nos ouvidos. "É extraordinariamente prazeroso, embora muitas vezes exija dedicação e prática incessante", diz.

A mente humana é bem mais do que os pensamentos e os não-pensamentos. "Não é preferir o silêncio ao som, mas observar que temos em nós tanto a mente movimentada e cheia de pensamentos, memórias, sentimentos, ansiedade e arrependimentos como temos o silêncio, a quietude, o encontro com o sagrado", afirma ainda.