SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SEGUNDA-FEIRA, 26 DE JULHO DE 2021
CASA

Selva urbana

Cultivo de plantas em casa cresce na pandemia e é considerado terapia. Suculentas, jiboias e samambaia são verdinhas fáceis de cuidar, ocupam pouco espaço e deixam a casa ainda mais charmosa

Francine MorenoPublicado em 10/04/2021 às 22:30Atualizado há 06/06/2021 às 09:07

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, cultivar plantas em casa no quintal de casa, varanda e até na sala do apartamento é sem dúvida uma das formas mais interessantes e agradáveis de aliviar as tensões do dia a dia, relaxar e garantir a saúde física e, também, emocional. Estabelecer uma rotina de cuidados com as plantas é também um caminho para quem está sentindo falta da rotina diária nesta fase de isolamento social e quer deixar a casa ainda mais bonita.

Quem ainda não entrou nesta onda de levar verde para dentro de casa, ainda dá tempo, mesmo estando no outono. Sabendo da influência das plantas nos ambientes, o leitor pode criar uma conexão com a natureza e encher a casa de plantas. A suculenta, por exemplo, é uma das queridinhas para quem decora a casa com plantas. Elas são charmosas e costumam ser práticas de cultivar.

Bonita o ano todo

O biólogo paisagista Heitor Liporacci, da H Plant Paisagismo, afirma que o cultivo das suculentas é fascinante e desafiador. "Como qualquer outro tipo de planta, ela precisa de cuidados, conhecimento e observação na prática. Por serem plantas xerófitas, ou seja, plantas adaptadas a condições de seca em regiões desérticas e semiáridas, muita gente se engana ao dizer que cacto e suculentas não precisam de água. Elas precisam sim, porém não em demasia, já que essas espécies possuem estruturas celulares que armazenam água para suportarem longos períodos de estiagem."

Apesar de serem bastante resistentes, a suculenta ou cacto precisam de cuidados particulares. Liporacci compartilha algumas dicas importantes. "Mantenha a planta em um local arejado e que receba luz solar de pelo menos quatro horas. Cultive em solo aerado, leve e que não retenha água. A rega é algo muito particular, pois depende de alguns fatores como onde a planta está e qual o clima da sua cidade. No entanto, recomendo você molhar a suculenta quando perceber que o substrato esteja seco novamente."

Linda e vistosa

Para os que querem ter mais natureza em sua casa, a jiboia é uma ótima opção. Marielli Marques Pedroso, proprietária da Fazendo Horta, afirma que a planta é indicada para quem quer espalhar o verde pelas paredes da sua casa, independente de ser um iniciante na modalidade de cultivo de plantas ou já é experiente no assunto. "É uma planta extremamente versátil e que se desenvolve super bem em diversos ambientes. Adulta, ela pode chegar até dois metros de comprimento. Por não necessitar de cuidados diários, a jiboia é uma das plantas pendentes mais recomendadas para os 'pais de planta' de primeira viagem."

A manutenção da jiboia, segundo Marielli, não tem mistério. "As jiboias são plantas que gostam de ambientes bem iluminados, mas nunca de luz solar direta batendo nelas. Um cantinho bem iluminado na sala ou no quarto vai ser o ambiente ideal para ela. Além disso, é importante se atentar às regas: sempre abundantes, mas espaçadas. Uma boa frequência é de duas vezes na semana."

O cultivo de mudas de jiboia na água também é uma tendência em alta. "Você pode cortá-la em pequenos pedaços (sempre nos intervalos de raízes da planta) e colocar essas hastes na água. Ela vai desenvolver as raízes e você terá novas mudas, que pode ser usada para preencher seu vaso ou até para fazer novos arranjos e presentear alguém", afirma Marielli.

Samambaias são aliadas na decoração

Tendência de decoração entre jovens descolados nos últimos anos, as samambaias voltaram a aparecer em ambientes internos e até em jardins projetados por paisagistas famosos.

Ronaldo Celeguini, proprietário da Jardim Zen Floricultura, afirma que as samambaias são plantas fantásticas e não exigem cuidados especiais, quando instaladas no ambiente apropriado. Elas precisam de um local arejado, porém sem vento e com muita claridade. Apesar de gostarem de ambientes bem iluminados, o sol direto pode queimar as folhas.

Celeguini explica que a samambaia é uma planta que adora umidade. "Para molhar sua samambaia, você deve respeitar a regra 'secou molhou'. O que, na nossa região, pode significar molhar mais de uma vez por dia. Evite o uso de pratos em seus vasos, pois pode causar apodrecimento das raízes."

Para a adubação, ela tem uma particularidade que foge a regra das plantas de sombra, ela adora fertilizantes ricos em cálcio, farinha de osso e bokashi, se preferir os orgânicos. "Caso opte pelos químicos, consulte a embalagem para saber se ele é rico em cálcio. Para o plantio, eu tenho tido bastante sucesso usando terra vegetal, facilmente encontrada em qualquer garden, supermercado ou lojas especializadas", afirma Celeguini.

Saiba mais

Além das suculentas, jiboias e samambaia, a begônica maculata tem conquistado os adeptos do conceito "urban jungle". Com uma estética exótica e inconfundível, a planta tem folhas longas de formato estreito nas pontas e coloração verde e verso avermelhado que contrasta com as pequenas manchas brancas arredondas. Tipicamente brasileira, ela tem origem nas matas tropicais do sudeste e centro-oeste do País. Com cultivo descomplicado, a begônia maculata demanda os cuidados básicos comuns entre as espécies indicadas para espaços residenciais. "O mais importante é se aproximar das condições de iluminação e umidade das matas de onde ela é originária. Ou seja, terra úmida e meia sombra", afirma Emerson de Souza Silva, especialista da Esalflores. "As regas não precisam ser diárias. De três a quatro vezes por semana são suficientes desde que a terra não fique encharcada e, muito menos, ressecada." Com status luxuoso de planta rara, o preço para ter uma begônica maculata gira em torno dos R$ 400.

Marielli Marques Pedroso, da Fazenda Horta, é apaixonada por jiboia  (Divulgação)
Marielli Marques Pedroso, da Fazenda Horta, é apaixonada por jiboia (Divulgação)
 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por