Agostinho Brandi, o redescobridor de nossas origens

Rio Preto em Foco

Agostinho Brandi, o redescobridor de nossas origens

Historiador é autor de dois dos livros mais minuciosos sobre a história de Rio Preto e o terceiro já está a caminho


Tino segurando seu segundo livro
Tino segurando seu segundo livro -

Rio Preto teve importantes historiadores e memorialistas em sua história. Entre eles o jornalista, escritor e historiador Basileu Toledo França, que foi autor de vários livros importantes, ainda na década de 1940. Outro foi Roberto do Valle, professor, escritor, poeta e historiador que manteve coluna por um longo período no Diário da Região sobre a história da cidade, assim como sua irmã, a historiadora e escritora Dinorath do Valle, e a professora Nilce Apparecida Lodi (falecida recentemente), que foi presidente do Comdephact, de 1986 a 2000.

Tivemos também os memorialistas Oswaldo Tonello e Vaelson Taveira Ferraz. Hoje carregam a bandeira o escritor e professor Antonio Caprio, presidente do Instituto Histórico e Genealógico (IHGG); o memorialista esportivo Rui Guimarães; o jornalista José Luis Rey e o grande pesquisador e memorialista Lelé Arantes, autor de inúmeros livros importantes sobre a nossa história, entre eles o "Dicionário Rio-pretense", de 2002.

Ninguém foi tão a fundo, no entanto, como o professor, historiador e ex-jogador de futebol Agostinho Brandi. Nascido em Guapiaçu, em 1931, Tino, como é carinhosamente chamado, foi jogador profissional como goleiro, com atuações no América, Rio Preto, Palmeiras, Ferroviária de Araraquara, Jaboticabal, Mirassol e Sanjoanense. Formado em História pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Sagrado Coração de Jesus, em Bauru, Tino lecionou por décadas nos colégios Santo André e São José, nas escolas Victor Brito Bastos, Alberto Andaló, Ezequiel Ramos, em Rio Preto, e Álvaro de Almeida, em Cosmorama, além de nas faculdades Unorp, Unilago e Cefam.

Foi presidente do Comdephact, de 2004 e 2005; da Sociedade Amici Di Itália, em 2009; diretor do Arquivo Público Municipal de 2006 a 2008; secretário do IHGG nas gestões 2006/2009 e 2009/2012; ocupante e patrono da Cadeira nº 3 da Academia Rio-pretense de Letras e Cultura. Ele é autor dos dois livros mais minuciosos da história da cidade: "São José do Rio Preto 1852 -1894 - Roteiro Histórico do Distrito - Contribuição para o Conhecimento de Suas Raízes", pela Editora Rio-pretense, em 2002, e "São José do Rio Preto 1894 - 1907 - O Ciclo dos Intendentes e a Criação da Comarca", pela THS Editora, em 2012. E o próximo já vem aí.

Tino viajou muito para Araraquara, Jaboticabal e até para o Rio de Janeiro, para a Biblioteca Nacional, em busca dos documentos originais. Um trabalho de fôlego, dando possibilidade de o leitor entender melhor e com precisão os acontecimentos da época. Por isso que sempre digo que o professor Agostinho Brandi "redescobriu nossas origens". Mais veracidade impossível. Salve nosso historiador mor, Agostinho Brandi.