Propaganda no ar

Editorial

Propaganda no ar

É um chamamento à participação popular, pois os programas podem oferecer aos eleitores argumentos para confirmar ou mudar a tendência de voto


Editorial
Editorial - Reprodução

Uma etapa extremamente importante do processo eleitoral começou nesta sexta-feira. É a propaganda dos candidatos a prefeito e vereador no rádio e na televisão, que irá até o dia 13 de novembro. Serão noventa minutos diariamente de segunda a sábado e, em tempo menor, aos domingos. É um espaço estratégico para todos os candidatos, ao Executivo e ao Legislativo. Em Rio Preto, além de dois programas diários de dez minutos cada, haverá mais setenta minutos de inserções comerciais todo dia.

O horário eleitoral é, costumeiramente, criticado pelo público. Não sem razão. Há muitas bobagens, discursos vazios e promessas vãs que acabam entrando no folclore político. Mas, este é o ponto central, é uma ferramenta essencial para que os candidatos e suas propostas sejam conhecidos pelo personagem principal da eleição, que é o eleitor.

É claro que, além do rádio e tevê, há as redes sociais como canal de comunicação entre os candidatos e o público. Mas num país onde mais de 90% dos domicílios têm pelo menos um aparelho de televisão, ignorar a importância deste espaço pode ser fatal para quem quer ser eleito. Pesquisas apontam que o horário eleitoral gratuito tem grande efetividade, alcançando algo em torno de 30 a 40 por cento de audiência, dado que contraria a tese de que a audiência é baixa, além de chamar a atenção do eleitor para o desenrolar da campanha. É um chamamento à participação popular, pois os programas podem oferecer aos eleitores argumentos para confirmar ou mudar a tendência de voto. Grandes produções marqueteiras, ilusórias em suas imagens exuberantes e linguagem grandiloquente são coisa do passado. Hoje, o eleitor quer prioritariamente conhecer propostas concretas e exequíveis.

Em tempos de pandemia, quando as aglomerações e a exposição em espaços públicos devem ser evitadas, a campanha nos veículos de comunicação eletrônicos ganha ainda mais relevância. É importante destacar que a Covid-19 provocou uma mudança radical no marketing eleitoral, a começar pelo uso cada vez mais frequente das mídias sociais.

Portanto, caberá aos candidatos, a partir deste momento, ter a responsabilidade de expor aos eleitores ações propositivas, os programas de governo, suas ideias, sem fantasia, sem mentira, numa demonstração de respeito ao eleitor.