O resultado do Ideb

Editorial

O resultado do Ideb

Há ainda um longo caminho a percorrer para que a infância e a juventude brasileiras tenham acesso a uma escola de qualidade


Editorial
Editorial - Reprodução

Os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) referentes ao ano passado trazem dados de suma importância para uma análise mais apurada sobre a situação educacional no País. Verificou-se que todas as redes estaduais de ensino médio registraram, de forma inédita, avanço no Ideb, que é o principal termômetro da educação no Brasil e é calculado a cada dois anos pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais do MEC.

Para chegar aos resultados, os técnicos analisam o desempenho dos alunos dos ensinos fundamental e médio em matemática e língua portuguesa e as taxas de aprovação escolar. O resultado divulgado nesta terça-feira revelou que as redes públicas de ensino fundamental do País mantiveram o ritmo de avanço, enquanto a rede privada ficou estável. Aliás, desde 2007 a rede pública consegue superar a meta estabelecida para os anos iniciais do ensino fundamental. Na média nacional, as escolas públicas passaram de 5,5 em 2017 para 5,7 em 2019, sendo que a meta era 5,5. Nas escolas particulares, o índice manteve a estabilidade de 7,1, abaixo da meta de 7,4.

Em Rio Preto, os resultados também foram positivos no ensino médio. A rede pública (estadual e municipal) superou a meta de 4,3 e alcançou a nota de 4,6. No ensino fundamental, porém, a avaliação caiu para 6,7, abaixo da meta de 6,9 do 1º ao 5º ano e de 5,3 do 6º ao 9º ano, quando a meta era 6.

Números nas mãos, o próximo passo é uma avaliação profunda por parte dos educadores, professores e poder público para a implantação de políticas públicas sempre voltadas à melhoria da qualidade do ensino, ainda mais na retomada depois da paralisação das atividades presenciais devido à pandemia. É certo que a volta às aulas presenciais representa um dos maiores desafios a serem enfrentados nos próximos meses.

Muitos aspectos contribuíram para a melhoria na avaliação do ensino médio, mas há que se destacar os sempre necessários investimentos maciços na área educacional. O ensino em tempo integral também produz resultados bastante satisfatórios, pois passar mais tempo na escola traz maior aprimoramento e tem o efeito positivo de afastar crianças e adolescentes da violência das ruas.

Há ainda um longo caminho a percorrer para que a infância e a juventude brasileiras tenham acesso a uma escola de qualidade. Mas os números do Ideb são uma boa notícia numa área absolutamente fundamental para a construção do futuro da nação.