Auxílio necessário

Editorial

Auxílio necessário

O auxílio é importante para a manutenção, por menor que seja, do consumo. Sem este dinheiro, a vulnerabilidade social seria maior


Editorial
Editorial - Reprodução

O País acompanha, com muita preocupação, o baque da pandemia na economia. Para onde se olha, há estragos imensos. O setor de serviços, por exemplo, caiu quase 12% só no mês de abril, acumulando perdas de 18,7% em três meses seguidos de retração. As projeções do Ministério da Economia apontam para o crescimento da pobreza, do número de falências de empresas por conta da pandemia, e do desemprego. Pesquisas feitas antes da pandemia mostravam que o número de desempregados no Brasil passa de 12 milhões de pessoas, e outras 38 milhões trabalham na informalidade.

Levantamento feito pelo Diário, com base nos dados do Portal da Transparência, mostrou que um em cada cinco moradores da região recebeu o auxílio emergencial criado pelo governo federal para repassar R$ 600 mensais a famílias de baixa renda, trabalhadores informais e microempreendedores individuais. Só em Rio Preto, 90.397 pessoas estão cadastradas para receber o auxílio, o que corresponde a 22% da população. Parisi é a cidade da região com a maior taxa de beneficiários, com um terço dos 2,1 mil habitantes recebendo o auxílio.

A pesquisa traça um cenário de muita dificuldade para as famílias neste momento de demissões, fechamento do comércio, queda na arrecadação, além do enfrentamento ao coronavírus.

Neste aspecto, o auxílio é importante para a manutenção, por menor que seja, do consumo. Sem este dinheiro, a vulnerabilidade social no País seria muito maior. Famílias inteiras nem conseguiriam pagar o básico para se manter e o impacto econômico seria muito maior. O governo federal já anunciou a prorrogação do pagamento do auxílio, medida necessária diante do ainda gravíssimo quadro da Covid-19 e de seus efeitos na economia. O ministro Paulo Guedes definiu o mote da ação governamental na área econômica: "preservando vidas, protegendo as empresas e os empregos".

O auxílio emergencial acentuou o momento extremamente difícil pelo qual os brasileiros passam e serve, mesmo que temporariamente, para reduzir ao mínimo possível os efeitos nocivos da pandemia na vida do País.

O auxílio emergencial tem a função de proteger e garantir uma renda, mínima que seja, para que milhões de famílias brasileiras possam atravessar esse período sem atividade econômica plena e consigam sobreviver.