BC suspende pagamentos pelo WhatsApp no Brasil

Diario Tec

BC suspende pagamentos pelo WhatsApp no Brasil

Serviço foi anunciado no Brasil no dia 15 de junho, mas o Banco Central entendeu que se tratava de concorrência desleal diante de outras empresas de pagamentos


Pagamentos e transferências estavam sendo permitidos para contas físicas ou jurídicas pelo WhatsApp
Pagamentos e transferências estavam sendo permitidos para contas físicas ou jurídicas pelo WhatsApp - Reprodução/Facebook

O Banco Central anunciou nesta semana a suspensão dos pagamentos ou transferências realizados pelo WhatsApp no Brasil. De acordo com a instituição, a medida foi tomada para preservar o ambiente competitivo. O serviço estava sendo realizado desde o último dia 15.

A determinação se aplica às bandeiras Visa e Mastercard e é imediata. O serviço, associado à carteira digital Facebook Pay, se estendia aos players locais, como Banco do Brasil, Cielo, Nubank e o Sicredi. Em caso de descumprimento da suspensão, de acordo com o BC, as empresas estarão sujeitas a pagamento de multa e processos administrativos.

Segundo o Banco Central, a medida permitirá avaliar eventuais riscos para o funcionamento adequado do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB). O eventual início ou continuidade das operações sem a prévia análise do BC poderia gerar danos irreparáveis ao Sistema no que se refere à competição, eficiência e privacidade de dados.

Os pagamentos eram processados pela Cielo, no caso de pessoas jurídicas, e cobrada uma taxa para realizar a transação. No caso de pessoas físicas, o serviço estava sendo feito de forma gratuita.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) também impôs medida cautelar para suspender a operação de parceria entre o Facebook e a Cielo no Brasil. De acordo com análise realizada pelo Conselho, a Cielo possui elevada participação no mercado nacional de credenciamento de captura de transações. Além disso, o WhatsApp possui uma base de milhões de usuários no Brasil, o que pode garantir um poder de mercado significativo com sua entrada no mercado de pagamentos.

"Tal base seria de difícil criação ou replicação por concorrentes da Cielo, sobretudo se o acordo em apuração envolver exclusividade entre elas. De qualquer modo, fica evidente que a base de usuários do WhatsApp propicia um potencial muito grande de transações que a Cielo poderia explorar isoladamente, a depender da forma como a operação foi desenhada", afirma a Superintendência em despacho.

No último dia 15, o executivo-chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, publicou a novidade em seu perfil na rede social. Ele afirmou que o Brasil seria o primeiro País a implementar o serviço.

Reprodução/Twitter

Novidade no Twitter

O Twitter lançou a opção de gravar um áudio e compartilhar na rede social. Segundo a empresa, cada tweet de voz captura até 140 segundos de áudio. Se o tempo estourar, não há problemas. Isso porque quando o usuário atinge o limite, um novo tweet começa automaticamente. Quando terminar, basta clicar em "finalizar". O novo recurso está disponível apenas para usuários iOS.

Vídeos curtos

Nesta semana, o Instagram anunciou que a ferramenta "Cenas" está pronta para roubar "a cena" dentro do aplicativo. Com um novo nome - Reels -, a funcionalidade poderá ser usada no Brasil, na França e na Alemanha para criar vídeos que podem ser publicados na linha do tempo normal, sem serem excluídos pela rede social após 24 horas.

Caixa de som

Depois do lançamento da Echo Dot com relógio no Brasil, há quase um mês, a família de caixas de som conectadas da Amazon cresce mais uma vez no País. A partir da terça-feira, 23, a Echo Studio, considerada o item com melhor qualidade de som da empresa, começou a ser vendida por R$ 1,7 mil. A caixinha também pode ser conectada com outros dispositivos de som compatíveis, em diversos ambientes de uma mesma casa, além de atender a diversos aplicativos de música como Amazon Music, Spotify, Deezer e Apple Music, por exemplo.

(Com Agência Estado)