A cidade e o turismo

ARTIGO

A cidade e o turismo

São José do Rio Preto é uma cidade com destacada característica hospitaleira


- João Passos/Estúdio Poliphoto

Nem sempre planejadas ou projetadas para receberem turistas, algumas centenas de cidades são extraordinariamente atraentes. Em muitas delas, nem sempre é possível distinguir o que as tornam atrativas, mas sentimos prazer em visita-las e contemplar praças, monumentos, avenidas e rios. De maneira ilustrativa, temos Las Vegas, cuja economia foi dinamizada a partir da intervenção de Kirk Kerkorian, um dos pioneiros investidores no Negócio Turismo. Destino turístico de localização estratégica, planejada para o fluxo de pessoas itinerantes, mas também para a população residente. Entretanto, o êxito concretiza-se com a economia baseada no turismo, na chegada e partida de pessoas que ali visitam para conhecer, consumir e se entreter, estimulando a economia local. Mais ao sul da América do Norte, temos outro conhecido destino turístico: Cancún. Embora os registros sejam de mais tempo, o crescimento deve-se a abertura de capital estrangeiro (estadunidense) para a "criação" da Cancún atual enquanto destino turístico a partir da década de 70.

No Brasil, exemplo de destino turístico planejado é a Costa do Sauípe - BA. Empreendimento construído em 2000 para ser o maior complexo turístico da América Latina, passou por diversas mudanças administrativas e atualmente é um destino consolidado do Nordeste, o que proporcionou grande desenvolvimento na região.

Para além das cidades turísticas, boa parcela das cidades brasileiras desenvolveu-se a partir de rios, que rapidamente margearam novos vilarejos e, por conseguinte, formaram cidades. Nossa história repete-se com algumas vantagens, evidenciadas pela privilegiada localização, além da chegada da estrada de ferro em 1912, fazendo da cidade um entreposto comercial, São José do Rio Preto é uma cidade com destacada característica hospitaleira, acolhedora que atende a uma população flutuante cujos motivos variam entre negócios e eventos diversos, com necessidades distintas e complementares para a permanência temporária. As dificuldades agravam-se principalmente com a falta de um local apropriado para receber grandes eventos que consequentemente extrapolam o budget da organização. Como polo econômico regional, tendo em vista a vocação industrial, com destaque para os segmentos moveleiro, alimentício, de joias e folhados, além de produtos médicos, os setores listados compõem a demanda por eventos tornando-se nítida a necessidade de adequação da estrutura da localidade para uma recepção compatível.

Em contrapartida, a necessidade de planejamento e vontade política empreendedora dos poderes público e privado, conjugara esforços na construção de um Centro de Convenções com múltipla utilização que certamente atenderá a demanda da classe médica para realização de congressos, direcionados as suas especialidades, bem como os eventos empresariais, fortemente representados pela atividade industrial, comercial e de tecnologia. São planos de uma cidade desenvolvimentista, que se caracteriza pela diversidade econômica. O setor de eventos tem assumido papel fundamental no desenvolvimento dos municípios e regiões por movimentar, direta ou indiretamente a economia na realização de eventos, quer sejam convenções comerciais, artísticos, sociais, educacionais, esportivos, religiosos, científicos, institucionais e políticos. A cidade já oferece infraestrutura de apoio com bons hotéis, restaurantes e prestadores de serviços. Além disso, os preços competitivos disponibilizados pelo setor e o contínuo incentivo do poder público pelo desenvolvimento do setor turístico local, também são aspectos positivos para o segmento. São fatores que constituem a atratividade e fortalecem o setor.

Célia Gomes, é especialista em administração estratégica, comunicação e administração de turismo e eventos e graduada em Turismo. Professora coordenadora no Centro Universitário Senac Rio Preto, diretora regional de Turismo da Secretaria de Turismo do Estado e atual Presidente do COMTUR. Articulista convidada do Instituto Tri para o projeto "A Cidade que Queremos".