ARTIGO

A inovadora eleição de 2020

Talvez quem sabe, pela primeira vez, tenhamos um governo que pense primeiro nas pessoas


É mais que chegada a hora de inovar no processo eleitoral de São José do Rio Preto. Chamar e convidar as pessoas para decidirem, não só pelos candidatos apresentados pelos partidos e frentes, mas sobretudo para que se antecipem na escolha de quem serão esses candidatos.

É urgente que as forças democráticas que se igualam no principal de seus programas, se reúnam em Rio Preto para fazer frente à força econômica que sempre definiu as eleições por aqui.

Justamente por isso, inaugurar um procedimento de ampla participação pode ser o grande diferencial do momento.

Haverá evidentemente, outras questões inovadoras nesse ano.

A internet, por exemplo, deverá continuar surpreendendo na sua relação com o eleitorado. E isso, de algum modo, quebra um pouco a força da televisão e dos programas melhor financiados. E ainda que não se possa dizer que todas as candidaturas serão assim colocadas em pé de igualdade, pode-se afirmar que desse modo o abismo entre os candidatos mais ricos e os mais populares, diminui.

Acostumados a usar a sola dos sapatos e com a conversa de beira de ouvido, candidatos do povo, nesse formato digital, podem o fazer com muito maior velocidade e chegar a um maior número de lares sem gastos pesados de combustível e outras despesas que dificultavam esse contato mais direto.

Além de tudo isso, a hegemonia ou maioria absoluta de visão parece estar quebrada, ou pelo menos, levemente abalada, uma vez que sobram eleitores decepcionados e até arrependidos de suas escolhas recentes.

O bolsonarismo, antes crescente na cidade, agora se esfria. Ao mesmo tempo encolhe o apreço de muitos por Doria, abrindo flancos de reavaliação que se estendem a outros setores do campo político.

Apresentar alternativas novas e viáveis dessa terceira via então se mostra obrigatório, principalmente por aqueles que fazem política com zelo e convicção.

Brigar por uma cidade mais inclusiva, justa e progressista será percebido por cidadãos atentos que trocarão o discurso fácil, pelo sincero.

Talvez quem sabe, pela primeira vez, tenhamos um governo que pense primeiro nas pessoas, depois nos prédios e asfalto. Afinal, cidade se faz com gente. E é nas cidades que a vida de nossa gente, se impacta em primeiríssimo lugar.

A situação atual de enfrentamento de pandemia e crise econômica, já já deixará suas marcas que exigirão de um gestor ou gestora, força, coragem, competência e sobretudo visão de futuro o que pede novidade ao invés da mesmice.

Com certeza a população rio-pretense saberá identificar e escolher esse projeto, sendo muito melhor que o faça antes mesmo dos partidos lhes apresentarem o prato pronto.

Carlos Alexandre, Administrador público; empresário; presidente municipal do PCdoB; Rio Preto.