Estudante picado por naja é preso

suspeita de crime ambiental

Estudante picado por naja é preso


Estudante picado por naja no Distrito Federal chegou a parar na UTI
Estudante picado por naja no Distrito Federal chegou a parar na UTI - Divulgação/Instituto Butantan

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu nesta quarta, 29, o estudante de veterinária de 22 anos que foi picado no dia 7 de julho por uma naja kaouthia, Pedro Henrique Kambreck Lehmkul. O mandado de prisão temporária do estudante considera indícios de que Lehmkul "estaria envolvido em uma associação criminosa responsável, entre outras condutas, pela destruição de provas relacionadas a crimes ambientais".

Segundo a PCDF, Lehmkul foi preso em sua casa, na região administrativa do Guará, a 30 quilômetros do centro de Brasília. Um perito médico-legista da corporação acompanhou a diligência para verificar as condições de saúde estudante, que chegou a ser colocado em coma induzido em razão da picada da Naja.

O tratamento exigiu que o Instituto Butantan remetesse de São Paulo para Brasília o soro antiofídico que tinha armazenado para o caso de um de seus pesquisadores que estudam a espécie naja fosse picado.

A prisão de Pedro Henrique Lehmkul faz parte da quarta etapa da Operação Snake, investigação aberta pela PCDF após o estudante ser picado pela Naja.