Editorial

Feriado e isolamento

O distanciamento faz parte das ações coletivas de enfrentamento ao coronavírus, porque reduz a curva de infecções


Editorial
Editorial - Reprodução

Ao antecipar feriados e decretar ponto facultativo, emendando esta semana com a próxima segunda -feira, fica evidente a tentativa do governador e do prefeito da capital de elevarem os índices de isolamento social em São Paulo, Estado que se transformou, infelizmente, no epicentro da pandemia de coronavírus no país.

De fato, o distanciamento é o centro das preocupações das autoridades de saúde. No início do combate à Covid-19, foram registrados índices mais robustos de isolamento social. Mas, com o tempo, o cansaço e a ansiedade ganharam terreno, e as pessoas começaram a sair de casa, expondo-se ao contágio. Em Rio Preto, por exemplo, o gráfico do Sistema de Monitoramento Inteligente usado pelo governo estadual para checar o isolamento social, mostra que a média tem sido de 39% de distanciamento, abaixo dos 50% esperados e recomendados para que se comece a falar em flexibilização.

O distanciamento faz parte das ações coletivas de enfrentamento ao coronavírus, porque reduz a curva de infecções, impede a rápida disseminação do vírus. Serve ainda para que as autoridades possam rastrear a circulação do vírus e prepara a rede hospitalar para o atendimento aos infectados. É, portanto, uma medida necessária, que precisa ser adotada por todos. Sempre que for possível, fique em casa, esta é a recomendação dos médicos.

Com realidades diferentes, a capital do Estado e as cidades do interior e do litoral tiveram posições divergentes em relação à antecipação dos feriados. Prefeitos de cidades turísticas como São Sebastião protestaram contra o feriadão prolongado, porque, segundo ele, muitos turistas vão deixar a capital em direção ao litoral. Outros prefeitos de cidades litorâneas já anunciaram a instalação de barreiras sanitárias nas vias de acesso. Isso é exatamente o que se pretende evitar. Em Rio Preto, o prefeito Edinho Araújo também decidiu não antecipar os feriados de Corpus Christi, em junho, e de Nossa Senhora da Conceição, em 8 de dezembro. Olímpia, estância turística, também não decretou feriado. É uma opção, dado que o governador João Doria apenas sugeriu que a medida fosse estendida no Estado todo.

Diante dos números assustadoramente crescentes de casos confirmados e mortes em São Paulo, tenta-se de tudo para reduzir a contaminação e evitar o bloqueio total, o lockdown. Esses feriados de agora não são destinados ao lazer, mas ao recolhimento.

Independentemente de feriado ou ponto facultativo, se puder, fique em casa. Colabore com o aumento no índice de isolamento, evite o contágio da Covid-19, contribua para a tão esperada flexibilização da economia, a partir do dia 31 de maio.