Editorial

Golpes virtuais

Larápios utilizam as plataformas online para alcançar o maior número possível de vítimas


Editorial
Editorial - Reprodução

É sempre assim: golpistas se aproveitam de momentos de apreensão e fragilidade para cometer crimes. Desalmados, espalham mentiras com o objetivo de lucrar com a saúde alheia. E não está sendo diferente em tempos de pandemia de Covid-19. A mais recente artimanha dos criminosos envolve os testes rápidos para detectar o coronavírus, oferecidos num conhecido site de compras e vendas por um preço bem abaixo do mercado.

Esses anúncios são golpes, nos quais muita gente já caiu. Faz-se a compra, paga-se o valor pedido e o produto não chega. Registre-se que a venda online de kits de testagem rápida é proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que costuma ser rígida na definição de diretrizes e na fiscalização.

Além disso, a Anvisa proíbe que o teste seja feito pelo paciente, em casa. Exige-se acompanhamento médico e local adequado para o exame.

Mesmo com todo o trabalho da agência, ainda tem muita gente que tenta enganar, demonstrando total desapreço pela vida, uma completa falta de solidariedade, tentando ganhar dinheiro sujo às custas de ludibriar quem simplesmente tem medo, está assustada e quer se proteger. Quem age assim merece mesmo ser chamado de bandido.

A internet é o campo minado onde os enganadores agem. Em tempos de isolamento social, os larápios utilizam as plataformas online para alcançar o maior número possível vítimas.

Segundo a polícia, os aplicativos de conversas instantâneas têm sido os mais usados. Por meio deles, mensagens são enviadas geralmente com links de formulários que, quando preenchidos, permitem aos criminosos acesso aos dados pessoais das vítimas. Técnicos em segurança digital estimam que mais de 4,5 milhões de brasileiros já acessaram páginas fraudulentas, especialmente as que se referem ao auxílio emergencial liberado pelo governo federal, no valor de R$ 600.

E tem de tudo nesse cardápio do crime, até pacotes de filmes gratuitos e de operadoras de telefonia celular. Basta clicar no link sugerido para se transformar em mais uma vítima da rede de estelionato virtual.

Sempre é oportuno lembrar das recomendações dos especialistas em segurança digital, como ter máximo cuidado com a senha, pesquisar a idoneidade do site da empresa com a qual está negociando algum produto, checar as certificações digitais, entre outras medidas importantes. Mas, a principal, desconfie de ofertas mirabolantes.

Todo cuidado é pouco. Tem muito bandido à solta.