SUS

Cartas do leitor

SUS


Nessa época de pandemia, a opção de atualização médica tem sido online, por meio de algumas plataformas existentes ou que surgiram. No fim de semana participei de uma, tendo como foco principal o câncer de tireoide, e me causou espanto as declarações, as condutas adotadas separadamente para o paciente do SUS! Em outros congressos de que participei, um deles de câncer de próstata, também infelizmente ouvi a mesma frase! A escrita abaixo:

"Se o paciente for do SUS, deixaremos de lado a "vigilância ativa" e faremos a cirurgia"! Pra quem não tem contato com o termo, explico, vigilância ativa quer dizer acompanhamento médico clinicamente e com exames! A estranheza que sinto é sobre a segregação que conseguem fazer com o ser humano! Obviamente, apesar de não citar nomes, repúdios sobre o que escrevo, principalmente da classe médica, virão! Não me preocupo...!

Na Bíblia está escrito "amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei", no juramento de Hipócrates, apesar de existirem duas versões (1771 e 1948), não muda o que todo médico faz na sua formatura e deveriam entender como algo sério a ser seguido, diz: "Em toda a casa, aí entrarei para o bem dos doentes..." Não tem esse pequeno artigo, a finalidade de polemizar maiores discussões: o médico ganha pouco trabalhando para e no SUS? (por que o mesmo não desiste desse trabalho???). Creio no serviço bem feito, afinal, foi você que escolheu fazer parte dele! Dizer que é falta de opção? Desculpe(m), discordo plenamente. A medicina te oferece, ainda, um leque de oportunidades para que tenha uma vida confortável (realizar plantões, principalmente)! Isso para mim é fato!

Mas o que mais dói é ouvir e tentar entender o não entendível.....o paciente do SUS tem que ter uma conduta diferente daquele que tem convênio ou do que paga seus gastos na saúde de forma "particular"! Fico pasmo....será que é difícil termos um SUS realmente humanitário e que consiga fazer o seguimento dos pacientes? E mais, será muito difícil médicos que trabalham para o SUS terem mais sentimentos com os pacientes? (Não estou generalizando, existem médicos extremamente "humanos"... e existe, às vezes, um sistema que deveria ser melhorado ou consertado!)

Não sou da esquerda e nem de lado algum...tento prezar e ser do lado do ser...as pessoas apesarem de não serem iguais, na questão saúde, devem ter a possibilidade de terem o mesmo tratamento!

Temos hoje, no mundo subespecialidades, o que ajudou bastante na resolução médica de várias doenças. Os especialistas dedicados estudam a parte deles...e se tornam fantásticos! Agora, para finalizar e de forma revoltante, mas sem ter o intuito de maldizer a Secretaria de Saúde de Rio Preto (creio que realizam um ótimo trabalho), pergunto: Existe a medicina do "pobre"? Ou... essa medicina segregaria e absurda é pra existir e sobreviver?

Paulo Togni, Rio Preto

Banquete

A natural sensibilidade humana se expressa, normalmente, no conjunto das atividades que acompanham a vida das pessoas. Não é um ato de momento, instantâneo, que não deixa de ser passageiro, mas envolve seu modo de ser e de atuar na sociedade. A vida não é só uma festa de alegria, de banquetes e lazer. Ela experimenta o lado sombrio enxertado de tristeza, desesperança e sofrimento.

A bíblia apresenta a imagem do banquete da vida, com ricas iguarias, simbolizando a abundância dos dons e das bencãos de Deus. Mas tem que ser um banquete que não exclui ninguém, senão essa benção não acontece. Assim é a Nação brasileira, onde há fartura em muitas mesas, mas hermeticamente fechadas para a grande maioria da população e espaço onde a presença do pobre vira estorvo.

Um banquete pode ser usado como local de congraçamento e de fortalecimento de amizades.

Para participar do banquete do Reino de Deus é necessário estar com vestes próprias. São as vestes das bem-aventuranças, do despojamento e da vida pautada pelos bons propósitos. Não é um banquete que exclui determinadas pessoas, mas a exclusão pode acontecer através das atitudes praticadas pela própria pessoa, por não aceitar colocar em prática as exigências do banquete.

Dom Paulo Mendes Peixoto - arcebispo de Uberaba-MG

Outubro Rosa

O Outubro Rosa é o mês que traz a campanha com o objetivo de alertar as mulheres e sociedade sobre a importância da prevenção e diagnósticos precoce de do câncer de mama e colo do útero. Mas, infelizmente, criminosos estão utilizando o Whatsapp, que já é o principal canal de fake News, para rodar um golpe de phishing (um trocadilho em inglês referindo à "pesca de inocentes") e tirar algum dinheiro e proveito disso.

Os usuários do aplicativo não costumam checar as informações e compartilham, repetitivamente, textos sem pesquisar o remetendo ou o conteúdo. Agora os criminosos da internet usam o "Outubro Rosa" para enganar vítimas no Whatsapp e no Facebook. As mensagens em questão geralmente afirmam que as maiores lojas do Brasil, e citam falsamente até algumas delas, estão reunidas em prol da campanha e distribuem camisetas que apoiam a causa.

Como em outros casos, o golpe faz uso de engenharia social, usando de várias artimanhas, uma vez que a pessoa precisa compartilhar a promoção com seus contatos para conseguir as camisetas que estão sendo distribuídas. Num primeiro momento, as mensagens direcionam as pessoas para um site falso e é convidada a responder questionário feito em três etapas. Além de colher dados da pessoa, os golpistas ainda conseguem monetizar e faturar com o número de acessos e muito provavelmente podem até instalar programas maliciosos no aparelho.

Para se proteger é sempre recomendado desconfiar de mensagens e anúncios no Facebook. Essa é agora a mais nova modalidade dos golpistas, que tem usado especialmente as redes sociais para disseminar os golpes. Duvide sempre de supostas ofertas recebidas por aplicativos de mensagens. Para confirmar se a oferta exibida é real, abra o navegador e vá direto até o site oficial da empresa. Se for o caso ligue para confirmar. É aconselhável que não clique em links, principalmente os recebidos de desconhecidos ou amigos mal informados. Eles podem ser maliciosos, criados para baixar vírus ou direcioná-los a páginas que coletam dados do usuário.

Nelson Gonçalves, Rio Preto