Fase amarela

Cartas do leitor

Fase amarela


O prefeito Edinho priorizou somente a abertura de leitos para os pacientes com Covid-19 ao invés de fazer um isolamento sério que pudesse diminuir o número de casos positivos, de internações e de mortes. E mais: o aumento de leitos veio sempre acompanhado da intenção de mudar de fase. A política adotada por Edinho de somente priorizar leitos mostrou-se ineficaz para salvar vidas. Os dados não mentem!Até o dia 04/09, foram 459 vidas perdidas desde o início da pandemia, quase metade só no mês de agosto; só nesses últimos quatro dias foram 31 mortos. Rio Preto é a segunda cidade do Estado de São Paulo em número de casos, proporcionalmente ao número de habitantes, como informou o Diário da Região em matéria publicada no dia 04/09. Vejo com muita preocupação e tristeza a improvisação de leitos de UTI para a mudança de fase com intenção exclusivamente eleitoral.

Marco Rillo - vereador em Rio Preto

Fase Amarela-2

Há quase seis meses enfrentamos um inimigo invisível, Devastador e Mortal, já ouvimos muito sobre ele, mas sabemos muito pouco. Alguns o conhece pela dor, falta de ar e de olfato ou paladar, alguns pelo medo e sensação de morte que sentiram: Ufa, escapei! Muitos o conhecem pela dor da ausência daquele ente querido, que nunca mais vai voltar. Restando somente a saudade e em muitos casos a revolta. Será que não dava mesmo para ser diferente? Precisava mesmo ocorrerem tantas, as mortes? Acho que nunca saberemos, e ai vem o tempo, e a vida segue.

A verdade é que em mais de cem anos, não vivíamos uma crise de Saúde Pública tão grave e mortal como esta, e é em momentos como este que identificamos de quem realmente precisamos para cuidar e preservar, nossas vidas e as daqueles que amamos.

Este momento tão triste e assustador foi o responsável em trazer ao conhecimento de todos a importância do Servidor Público, da Enfermagem, recepção, farmácias, médicos, ou assistentes e educadores sociais, psicólogos, fisioterapeutas ou ainda guardas municipais, e também, diretores, coordenadores, professores e auxiliar administrativo e os incríveis cientistas, todos, tiveram suas vidas virada de cabeça pra baixo; mas, a maioria deles foi para o combate direto, frente a frente, cara a cara, e com determinação e coragem estão a quase seis messes, nesta luta diária com o poderoso inimigo em defesa da saúde e da vida de toda a população.

Acontece que durante algum tempo, houveram homenagens, aplausos e muitas palavras de incentivo e reconhecimento a estes trabalhadores, que enfrentaram o medo, a insegurança, mas se mantiveram firmes, muitos distantes até dos familiares para não coloca-los em risco também. Muitos adoeceram, mas ainda continuam lá, cuidando da saúde e da vida, dos outros, enquanto sua própria saúde está em risco, no limite. Enquanto enfrentam o pior momento de suas carreiras e vidas, acumulam perdas e sofrem com notícias de um futuro de inseguranças e demasiado injusto.

O fato é que, com tudo e apesar de todos o que realmente os servidores públicos precisam é de, mais do que palavras, de atitudes de seus superiores que demonstrem de verdade que valorizam e reconhecem sua importância e empenho em todo este sofrido processo.

Eles estão cansados, exaustos física e mentalmente e precisam com urgência de alguma folga.

Por isso Prefeito, por favor, reconsidere e permita aos servidores da linha de frente pelo menos a retirada das abonadas. Nos últimos meses várias flexibilizações foram realizadas, no intuito de atender a necessidades e reivindicações de diversos setores, os trabalhadores que estão sobre o seu comando estão precisando também de alguma flexibilização. Para alegria de alguns, e para tristeza e preocupação de outros, nosso município, com muito empenho, foi para a Fase Amarela do Plano São Paulo, que Deus nos ajude e proteja, vamos precisar.

Enfim, os servidores públicos no nosso Município precisam serem levados também, para a Fase Amarela, já que estão na Vermelha desde o início dessa Pandemia.

Sanny Lima Braga - presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rio Preto

Fase Amarela-3

Muito bem, mudamos de fase e mais lugares poderão reabrir depois de tanto tempo. Mas devemos lembrar que a pandemia não terminou, o Covid ainda ronda, os casos ainda acontecem. O importante agora é que todo mundo assuma sua parcela de responsabilidade para a que a cidade siga avançando e combatendo a doença. Tem muito chão pela frente, mesmo com esse alívio. Usar máscara, lavar as mãos, ficar distante, enquanto a vacina não chega.

Nice H. Noronha, Rio Preto

Bodas de Ouro

Hoje, dia 6 de setembro, eu e meu marido Jurandir Mazete, estamos completando 50 anos de casamento, meio século de vida em comum. Na véspera do dia da Independência do Brasil daquele ano de 1970, nós fizemos também nossa independência da casa dos nossos pais para vivermos a nossa vida em comum. Por coincidência naquele ano a dia 06 também foi num domingo... Meu Deus, quantas mudanças, quantos altos e baixos, quantas renúncia enfrentamos, e também alegrias, para a adaptação das nossas novas vidas.

Deixamos o interior e fomos enfrentar a cidade grande São Paulo, para onde seu trabalho exigia que fosse. Vejam só, início de nova vida em cidade nova e desconhecida.

No decorrer desses 50 anos tivemos luas de todos tipos: de mel, de apertos, de lutas ,de economia, de bons passeios, boas viagens, de bons momentos, de encontros e desencontros. A independência judiou de nós e também nos ensinou a viver. Éramos valentes e enfrentadores de qualquer situação. Governos se sucederam, moedas novas surgiram, gripes do frango, do porco, febre asiática etc. e a vida rolando. E agora completando os 50 anos, outra pandemia enfrentando.

Estamos idosos. Que bom que estamos. Ainda nos ajudamos mutuamente, os problemas familiares dividimos e as experiências repartimos.

Agradecemos a Deus que nos uniu e nos fez viver juntos todo esse tempo. Até quando? Ele vai decidir.

Neiva Toloi Mazete, Rio Preto