Polícia Federal

CARTAS DO LEITOR

Polícia Federal


Polícia Federal

Excelente e extremamente esclarecedora a matéria veiculada domingo, 19/7, neste Diário, no Caderno Política, com o novo chefe da Polícia Federal em Rio Preto, Cristiano Pádua. Os ataques e acusações - em especial por partidários (pré-candidatos, presidentes de partidos e simpatizantes) - estão tomando uma proporção preocupante na cidade. Até porque, acusa-se - de forma irresponsável e leviana - mas não apresenta provas contra os acusados, deixando claro que suas postagens e intenções tem caráter 100% politiqueiro. Creio que o novo chefe da PF deverá agir com rigor contra esses internautas que colocam o lado partidário -  movidos unicamente por interesses eleitoreiros - acima da razão e do bom senso e saem atirando nas redes sociais com o único intuito de tentar desmoralizar seu concorrente. Porém, é sempre bom lembrar: o ônus da prova é de quem acusa. A matéria, na verdade, serviu de alerta para os caluniadores de plantão uma vez que, se realmente há provas das suas acusações, devidamente embasadas e fundamentadas em documentação legal, então, que se tome atitudes de homens e as apresente ao órgão de fiscalização competente, e não ficar usando as redes sociais como "muleques" de recado apenas para contentar seus pares fazendo politicagem de quinta. Aliás, fazer oposição com idealismo, além de ser "inteligente" é um direito de todos. Porém, fazer oposição por mera politicagem visando fins eleitoreiros futuros e, principalmente, acusar sem ter provas, aí já é mal caratismo mesmo. Principalmente daqueles que agora estão cuspindo no prato que já comeram.

Roberto Prota, Rio Preto

Cristo redentor

São José do Rio Preto é campeão em IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano) e o 2º Município mais desenvolvido do Brasil pela FIRJAN (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro) e vencedora também em várias categorias, inclusive esportes, nos Jogos Abertos do interior.

São 168 anos de historia (19.03.1852) desta grande cidade que destaca-se entre os 5.565 municípios do Brasil, sendo a 18ª no ranking das cidades mais promissoras para se construir uma carreira profissional, segunda a FGV.

Pensando nestes quesitos decidimos abordar aqui uma questão que poderá elevar ainda mais o nosso padrão e importância sócio - cultural. Referimo-nos ao nosso Cristo redentor.

O Cristo redentor carioca foi construído a partir de 04.04.1922, no topo do morro do corcovado. Inaugurado em 12.10.1931, em 2007 foi eleito informalmente como uma das sete maravilhas do mundo moderno.

Nosso Cristo foi construído em 1957 pelo prefeito Alberto Andaló, tendo como mestre de obras o sr. Rubens Bonvino, cabendo ao engenheiro italiano Dante Andreoli a tarefa de estruturar e finalizar a obra. Nossa estátua vai completar 63 anos com 15,3 metros de altura. Sua última reforma deu-se em 2018. Na época da construção, o local escolhido foi a Vila Maceno, ponto demográfico mais alto da cidade.

Rejuvenescer o Cristo redentor é oxigenar todo este processo. Transformá-lo no ponto turístico mais importante da nossa cidade é valorizar nossas conquistas.

Sugerimos desapropriações naquela área e investimentos como aumentar sua altura e complexidade. Fica registrada nossa singela sugestão para aqueles que forem eleitos para dirigir o futuro da nossa cidade.

Shirtes Pereira, Rio Preto

Área azul

Nossa "zona azul" é das mais onerosas em relação a outras cidades do mesmo porte. Aqui, o prazo máximo para comprar e colocar o talão é de cinco minutos e sempre é difícil encontrar as vendedoras(os) porque quem não tem aplicativo tem que sair procurando os fiscais ou tentar achar um ponto de venda. Aí eles aparecem e, depois dos cinco minutos de tolerância, é notificado e tem que pagar a taxa de regularização, que é um absurdo. Mas agora mudou: depois da pandemia da Covid , tem fiscais para todo o lado porque simplesmente o comércio fecha as 15h00 e eles ficam ociosos até as 17h00 procurando algum carro para notificar. Afinal, se o comércio está fechado o porque da "zona azul" continuar no seu horário normal. Sacanagem.

Aparicio Guilherme Queiroz, Rio Preto

Cotas

A reportagem da Folha (18/7) "Cota para candidatos negros opõe TSE e centrão" nos faz perceber como políticos infringem o princípio fundamental da Constituição: a igualdade de todos perante a lei. Pelo atual sistema de cotas, uma mulher negra filiada a um partido tem 60% mais chance de sair candidata para um posto eletivo do que um homem branco, porque se beneficia mais dos fundões de verba pública, partidário e eleitoral: são-lhe reservado para inscrição e propaganda 30% das vagas por ser do gênero feminino e 30% por ser de cor preta.

Cabe ao Congresso Nacional e ao STE (Supremo Tribunal Eleitoral) regulamentar de uma forma mais justa o acesso às carreiras políticas, como também não permitir o abuso de poder, especialmente o religioso. Como está relatado, uma pastora se elegeu vereadora pedindo votos aos fiéis em igrejas. Há inclusive uma ONG específica: "ONG Educação e Cidadania de Afro descendentes e Carentes (Educafro)". Trata-se de gente de outra cidadania, não a brasileira? Chegou a hora de acabarmos com todo tipo de cota por distinção étnica, racial, religiosa, de gênero ou cor de pele. O benefício acaba se tornando uma ofensa a si próprio por considerar-se inferior, incapaz de se afirmar com suas próprias forças. Justo seria a família ou o Estado propiciar a todos meios e oportunidades para cada qual prover seu futuro. A pobreza é uma vergonha nacional! Daí a necessidade de um planejamento familiar para não gerar filhos sem condições de serem sustentados decentemente.

Salvatore D' Onofrio, doutor pela USP e professor titular pela UNESP