MAP, 40 anos

Cartas do Leitor

MAP, 40 anos


MAP, 40 anos

Harlen Félix, querido, muitíssimo agradecido por sua reportagem sobre o Museu do Silva. Acompanho os seus escritos no jornal há muito tempo e admiro muito o seu talento, sensibilidade e generosidade. Fico sempre muito honrado quando se refere a mim porque sinto a mescla de seu conhecimento e tino jornalístico.

Romildo Sant'Anna, professor, jornalista e escritor

Eurípides

Que linda e quase inacreditável história, nos conta o nosso querido Prof. Eurípides, em seu artigo de domingo (19/07), intitulado "Melancolia na quarentena." Devo dizer que fiquei encantada com seu relato e principalmente por se tratar de uma passagem peculiar na vida daquelas pessoas que no auge da juventude, tem que vencer barreiras para correr atrás do sonho acalentado. Me tocou profundamente, o valor inestimável dessa carta parar na suas mãos através de uma desconhecida. Afinal, foi essa carta extraviada, que revelou seu futuro profissional, porque se ela chegasse muito antes do tempo previsto pelo destino e não no derradeiro momento, hoje seus leitores sequer teriam a chance de conhecer essa bela história. Através do seu artigo, pudemos descobrir que foi a carta que o predestinou ao sacerdócio das Ciências Exatas. Incrível ler no seu relato que a missiva ficou pela segunda vez perdida por mais de 52 anos, esperando por uma tal quarentena, que levaria sua esposa a reencontrá-la. E o que acho mais incrível ainda meu querido colega de profissão, é identificar que aos mistérios de nossas vidas nos cabe dar-lhes o devido valor durante toda nossa existência. Foi o significado que você deu a carta predestinada que o levou para o lugar que nasceria sua profissão, pela qual você lutou, fortaleceu-se, plantou sementes e colheu os frutos. Hoje ficamos sabendo que você leu a carta e correu ao encontro do primeiro vestibular da FAFI, que no futuro, o tornaria conhecido e respeitado como um dos melhores profissionais da nossa querida UNESP.

Angela Perozin, Rio Preto

Pandemia

Momento de reflexão, ou melhor, dias e meses de reflexão. Como pode um fator tão externo e inesperado alterar toda uma vida, uma rotina (isso é bom?) e uma história que inclui desespero, famílias enlutadas, desespero financeiro. Hoje não consigo decidir se "os poderosos" continuam assim! A crise, seja ela de saúde ou financeira, não deu tempo de escolha e muito menos de poupar alguém, sem se importar com raça, religião, condição financeira ou saúde. Estamos vivenciando algo desconhecido. A cada dia uma novidade, mortes diminuindo, aumentando...medicamentos...sem palavras. E assim continuamos. Importante percebermos a magnitude da paralisia e conformismo que vivíamos! Hoje percebemos as mudanças que poderiam ter acontecido antes....., ou pelo menos, estarmos nos preparando pra ela! Algo inevitável. Não admiro a pandemia....simplesmente a respeito. No sentido amplo de respeitar

Paulo H. A . Togni, Médico - professor universitário

Desempregados

No setor privado o número de desempregados já alcançou o total de 12,4 milhões, segundo a mídia informa. No setor governamental - municipais, estaduais e federal - não há notícias de desempregados e diminuição de salários e etcs. O tempos passa, os governos mudam, mas os números de funcionários, salários e vantagens continuam os mesmos. Quando começará a igualdade de conseguir emprego por necessidade, competência e, não, por QI ?

Mário A. Dente, Rio Preto

Supermercados

Nessa seção, em carta de sábado (18/07) o leitor tece críticas à postura da prefeitura em relação ao fechamento dos supermercados aos fins de semana, as quais discordo. Os dias a menos para compras, citados, são sábados e domingos onde famílias, de Rio Preto e de cidades da região estavam se aglomerando em filas. Em dias uteis, isso se tornará mais difícil.

*Quando dizemos que haverá aglomeração, no meu ponto de vista, estamos dizendo, "Não vou fazer a minha parte, que é cooperar". O que está no decreto não é veto, proibição ou impedimento ao trabalho dos supermercados e sim regulamentação no horário de funcionamento. Há 4 meses, quando isso começou, a prefeitura, realmente, não poderia planejar uma ação como esta, pois, todos sabemos o virus é desconhecido e as ações tem que ser pontuais, isso inclusive, mostra a capacidade do bom gestor.

Os investimentos de redes de supermercados na cidade,e no pais, nada tem a ver com recuperação pós covid 19, e sim planejamento, haja visto os pontos abertos ou reabertos, além de outros com previsão de abertura ao longo dos próximos meses. Sendo este um setor que praticamente não parou nos últimos 4 meses. Temos acompanhados, todos os dias, as explicações e as decisões tomadas pelo prefeito e a equipe voltada as tratativas da pandemia e devemos, sim parabeniza-los, pois tem agido de forma forma segura e organizada e mostrando a população como o trabalho está sendo feito. São José do Rio Preto, nesse momento, parece ser um dos epicentros da contaminação e as medidas, mesmo que pareçam fortes demais, tem que ser tomadas. Como li, em editorial da ex presidente da ACIRP, sra Adriana Neves, dias atrás aqui mesmo no Diário da Região. Se tenho uma critica ao que foi proposto, eu poderia indicar 2 soluções, mas que realmente resolvessem o problema. O que não parece ser tão simples assim, principalmente para todos nós que não estamos trabalhando diuturnamente na questão, covid 19.

Otavio Cezar dos Santos, Rio Preto