Câmara de Rio Preto decide se convoca secretário Trânsito para dar explicações

CPI DAS CALÇADAS

Câmara de Rio Preto decide se convoca secretário Trânsito para dar explicações

Segundo CPI, secretaria de Trânsito não apresentou documentos


Comissão apurou contratos de empresa que fez reforma em calçadas de escolas municipais
Comissão apurou contratos de empresa que fez reforma em calçadas de escolas municipais - Arquivo

A Câmara de Rio Preto vota na terça-feira, 13, requerimento para convocar o secretário de Trânsito, Amaury Hernandes, para dar explicações sobre gastos da pasta em reforma de sarjetões. São necessários nove votos para a convocação do secretário. O requerimento foi apresentado pelo vereador Marco Rillo (Psol), presidente de CPI que investigou despesas em reformas de calçadas, em contratos da Secretaria de Educação. O vereador afirma que o secretário de Trânsito não teria entregue documentos para a CPI, que entregou relatório na sexta-feira, 9. O relatório foi feito pelo vereador Pedro Roberto (Patriota). Outro integrante da comissão foi Jorge Menezes (PSD). O relatório da comissão, feito será lido durante a sessão de terça.

A comissão apurou suposto desperdício de dinheiro público na destruição de calçadas em boas condições, em escolas municipais, para a colocação de um novo piso pela S.M.S. Serviços empresa comandada pelo empresário Sidenir Martins que presta diversos serviços à prefeitura. A CPI apontou falhas no planejamento das obras e o relatório será encaminhado ao Ministério Público.

De acordo com Rillo, a pasta comandada por Amaury Hernandes feriu o regimento interno da Câmara uma vez que não teria havido a entrega de documentos solicitados pela comissão no prazo de 30 dias, estipulado regimentalmente. "O Amaury Hernandes, Secretário Municipal de Trânsito, Transportes e Segurança, deixou de atender à solicitação da CEI, impossibilitando mostrar a veracidade de fatos que esclarecesse o erro mencionado em depoimento de servidor público", diz trecho do relatório da comissão.

Segundo o documento, as explicações prestadas pelo engenheiro durante depoimento à comissão não elucidaram o pagamento de uma nota fiscal de R$ 77 mil reais relativa a prestação de dez serviços de construção de serjetões prestados pela empresa de à Secretaria de Trânsito.

Amaury Hernandes, afirmou ao Diário neste sábado que as reclamações feitas pelo vereador não procedem. "Ele tem mania de achar que as coisas são do jeito dele. Se tiver que ir, não tem problema nenhum. Não temos nada a esconder. Tudo o que ele pediu, foi entregue", disse.

Sobre a nota fiscal, Amaury afirmou que não houve irregularidades nos serviços prestados pela S.M.S. Serviços. "Quando chega, já encaminho ao administrativo. Tudo que tem na secretaria é público".

A Câmara analisa na sessão da próxima sexta-feira, 13, o projeto de lei apresentado pelo vereador Jean Charles (MDB) que proíbe os ferros velhos de adquirirem produtos considerados próprios públicos, como tampas de bueiros, placas de identificação de vias públicas ou fios de cobre. Os estabelecimentos também estarão proibidos de manterem estoque destes objetos. A proposta está em 2ª votação no Legislativo e, se aprovada, será enviada para sanção ou veto do prefeito Edinho Araújo (MDB).

Segundo o vereador, o objetivo do projeto é impedir os pequenos crimes. "Temos notícias constantes de pequenos furtos realizados, muitas vezes por adolescente e até crianças, que usados pelo tráfico, causam danos materiais a particulares e ao poder público. É preciso coibir pequenos delitos para poder cortar o mal pela raiz, impedindo que ele cresça", disse.

A Câmara vota, ainda, projeto de lei apresentado pelo vereador Francisco Ruel Júnior (DEM) que transforma o instituto "As Valquírias" em entidade de utilidade pública.