Região de Rio Preto continua na fase amarela, agora com horário ampliado

RETOMADA DA ECONOMIA

Região de Rio Preto continua na fase amarela, agora com horário ampliado

Região de Barretos, que inclui Olímpia, regride para a fase laranja no plano do governo estadual


Governador João Doria (PSDB) e secretários no anúncio feito nesta sexta-feira, 9, no Palácio dos Bandeirantes, sobre o Plano São Paulo
Governador João Doria (PSDB) e secretários no anúncio feito nesta sexta-feira, 9, no Palácio dos Bandeirantes, sobre o Plano São Paulo - Divulgação/Governo SP

O governo de São Paulo manteve a região de Rio Preto na fase amarela do plano de retomada da economia em meio à pandemia e alterou regras para regiões que estão nesta etapa. A fase amarela terá maior flexibilização de horários para comércio e atividades como bares e restaurantes que poderão funcionar até 10 horas por dia. Pelas normas anteriores, que devem ser seguidas pelos municípios, a liberação para horário de funcionamento era de oito horas diárias. No caso de base e restaurantes o horário limite de atendimento será até às 23h. Antes, o limite era 22h para permanência nos estabelecimentos.

"As regiões que estão na fase amarela poderão estender de 8h para 10 horas horário de funcionamento presenciais, incluindo comércio de rua, shoppings, academias, cabeleireiros e prestadores de serviço", afirmou Doria na coletiva. As alterações no plano com relação à fase amarela foram publicadas no Diário Oficial do Município.

Em Rio Preto, o prefeito Edinho Araújo (MDB) publicou novo decreto que prorroga as medidas adotadas por conta da pandemia e irá ampliar funcionamento do comércio, com base na reclassificação feita pelo Estado. As alterações foram anunciadas em live da Prefeitura. O comitê gestor da Prefeitura publicou novas deliberações.

Por outro lado, a região de Barretos, que inclui Olímpia, regrediu para fase laranja do plano São Paulo. Apesar de o governador João Doria (PSDB) ter afirmado no mês passado que regiões que tivessem piora em índices iriam para fase vermelha, o Estado rebaixou Barretos para laranja. Essa etapa, maior parte dos setores ainda permanece restrita a atividades essenciais, de acordo com dados do governo estadual. A Prefeitura de Olímpia afirma que irá manter estabelecimentos em funcionamento conforme previsto na fase laranja, ou seja, sem alterações.

O governo anunciou ainda que a Grande São Paulo e as regiões da Baixada Santista, Campinas, Piracicaba, Sorocaba e Taubaté para a fase verde do plano, que tem maior flexibilização. Municípios que foram para essa fase poderão ampliar capacidade de atendimentos nos estabelecimentos, que passa de 40% para 60%. Já horários de atendimento em estabelecimentos comerciais podem ser de até 12 horas por dia, de acordo com dados divulgados pelo governo estadual durante coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

As medidas anunciadas pelo Estado nesta sexta valem até dia 16 de novembro, quando o governo irá fazer nova reclassificação do plano. A divisão do Estado em regiões para determinar funcionamento de atividades comerciais entrou em vigor em junho.

O secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, afirmou ao Diário que a medida de regressão para fase vermelha só pode ocorrer se for registrado aumento de casos, de internações de mortes por conta da pandemia de coronavírus ao longo dos próximos 28 dias.

"Rio Preto não foi para fase verde porque tem 80,2 internações por 100 mil habitantes. O necessário era no máximo 40 internações", disse Vinholi.

De acordo com balanço divulgado pela Prefeitura nesta sexta-feira, 9, Rio Preto contabilizava 27.786 casos de coronavírus, com 642 mortes.

O prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (MDB), que na quinta-feira, 8, disse que esperava avanço de fase afirmou que queda no número de casos "não é suficiente" para mudança de etapa. Ele disse que a manutenção na fase amarela representa período de "cautela e consciência".

"Apesar do registro de queda de casos da Covid 19 e de óbitos, a manutenção de São José do Rio Preto e região na fase amarela do Plano São Paulo mostra que temos que ter cautela, pois ainda não é o suficiente para uma abertura mais ampla de serviços não essenciais. Temos que continuar conscientes das regras sanitárias: distanciamento, uso de máscaras e, principalmente, evitar aglomerações", disse.

"Esperamos que no próximo anúncio do governo do Estado possamos avançar", afirmou Edinho.

O governo estadual manteve proibições de medidas que resultem em aglomerações.

"Atividades que gerem aglomeração, tais como festas, baladas, presença de torcedores em eventos esportivos e grandes shows com público em pé continuam proibidas em todos os 645 municípios de São Paulo. A liberação só deve acontecer em eventual avanço para a fase azul ou após a disponibilização de uma vacina contra o coronavírus", afirma comunicado do Estado, divulgado no site do governo.

De acordo com informações do Estado, a região Metropolitana de São Paulo, que era dividida em seis sub-regiões de saúde, volta a ser classificada como uma única área de controle da pandemia com a redução das taxas de ocupação hospitalar. "Existe uma distorção na cidade de São Paulo que precisa ser corrigida. A cidade de São Paulo é uma referência médica da América Latina e que concentra o maior número de pacientes graves", disse José Medina, coordenador do Centro de Contingência.

Segundo o governo, Doria voltou a pedir que moradores usem máscaras em locais de acesso coletivo, como no transporte público ou por aplicativo.

"Cuidado, cautela e zelo vão evitar a infecção, a contaminação e o risco de morte", declarou Doria. "Podemos desfrutar o feriado prolongado, mas com cuidado para proteger a sua vida, as vidas de seus familiares e amigos. O vírus não escolhe vítima, idade, sexo ou condição socioeconômica", disse Doria.

(Com informações do governo estadual)