Maioria de gastos vai para campanha eleitoral na TV

ELEIÇÕES 2020

Maioria de gastos vai para campanha eleitoral na TV

Campanha eleitoral em Rio Preto tem limite de despesas de até R$ 2,7 milhões e gastos são turbinados com propaganda no rádio e na televisão, que começa nesta sexta-feira, 9


Candidato com segundo maior tempo, Casale durante gravação para programa eleitoral
Candidato com segundo maior tempo, Casale durante gravação para programa eleitoral - Fotos: Divulgação

A campanha eleitoral ganha maior visibilidade em Rio Preto a partir desta sexta-feira, 9, com o início da propaganda no rádio e na televisão. A estratégia é considerada crucial pela maioria das campanhas com as limitações impostas pela pandemia de coronavírus e a corrida eleitoral no rádio e na televisão irá concentrar maioria dos gastos.

Candidato à reeleição de Rio Preto, Edinho Araújo (MDB), tem o maior tempo de televisão tanto em inserções distribuídas ao longo da programação quanto nos blocos de dez minutos — serão dois programas por dia. Há estimativas de que as despesas da campanha de Edinho podem chegar a R$ 1 milhão. A candidatura tem 12 partidos e investe em programas na televisão, rádio e redes sociais. Edinho tem feito gravações diárias para os programas.

Além de dois programas de dez minutos por dia, a campanha eleitoral no rádio e na televisão tem 70 minutos de inserções. Desse tempo, 60% são destinados à campanha para prefeito e o restante para propaganda eleitoral de candidatos a vereador.

Questionado sobre os valores, a assessoria de campanha não informou quanto deve ser gasto. Segundo Edinho a despesa ficará "dentro dos limites". "Os maiores investimentos serão TV, redes sociais e rádio", disse o candidato. A campanha de Edinho terá 4 minutos e 1 segundo em cada bloco de programa de dez minutos na televisão.

Na eleição deste ano, o teto de gastos estabelecido em tabela divulgada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em Rio Preto é de R$ 2,7 milhões para os candidatos a prefeito. Em caso de segundo turno, o valor pode ser acrescido em R$ 1 milhão. A prestação de contas parcial dos gastos de campanha será divulgada pelo TSE no dia 27 de outubro.

Além de maior tempo nos programas, Edinho terá 16 minutos diários de inserções na televisão.

O prefeiturável com segundo maior tempo de televisão é Marco Casale (PSL). O candidato terá 1 minuto e 56 segundos em cada bloco de dez minutos de programação na propaganda eleitoral no rádio e na televisão. O tempo de inserções será de 8 minutos diários. Candidatos podem fazer inserções de até 1 minuto no horário eleitoral. Casale já tem gravado programas. "Ter o segundo maior tempo aumenta nossa responsabilidade", disse o candidato na última semana.

A assessoria de campanha informou que ainda não tem valor fechado de quanto será gasto com a propaganda eleitoral. A legenda ainda não informou quanto será repassado para o fundo eleitoral da campanha.

A candidata a prefeita Celi Regina (PT) terá o terceiro maior tempo de televisão com 1 minuto e 11 segundos. A petista também já iniciou as gravações. A coordenação de campanha informou que as despesas na produção de programas irão representar as maiores despesas na corrida eleitoral.

"A campanha na televisão é o maior gasto com a produção dos programas", afirmou Ailton Bertoni. A candidata ainda terá 4 minutos e 59 segundos diários em inserções.

Na sequência, Coronel Helena (Republicanos) terá 1 minuto e 10 segundos no horário eleitoral, nos programas. A candidata tem gravado os programas nos atos de campanha faz. "Tem uma equipe grande trabalhando", disse o presidente do partido, Diego Polachini na semana passada. No entanto, a legenda entende que atualmente as redes sociais são cruciais na divulgação da campanha. A coronel Helena terá ainda 4 minutos e 54 segundos de inserções.

Carlos Arnaldo (PDT) terá 45 segundos no horário eleitoral, no programa de blocos, e 3 minutos e 10 segundos nas inserções. "O programa eleitoral e as inserções são muito importante. Já temos alguns programas prontos. Eu acredito que o maior gasto vai ser com a produtora porque é uma equipe, produtores, editor, cinegrafista", afirmou o candidato.

Carlos Alexandre (PC do B) e Marco Rillo (Psol) terão 16 segundos programa eleitoral, nos blocos de programas de dez minutos. "Dá apenas para chamar para as redes sociais, onde fazemos lives", disse Carlos.

Já o candidato do Novo, Filipe Marchesoni, terá 16 segundos no horário eleitoral.

A definição do tempo, que ocorreu no sábado, 3, deixou os prefeituráveis Rogério Vinícius (DC) e Paulo Bassan (PRTB) sem tempo no horário eleitoral. Os partidos não atingiram "cláusula de desempenho" na eleição de 2018. Ambos vão priorizar campanha nas redes sociais.

O horário eleitoral começa na sexta, com inserções, disparadas ao longo da programação. As inserções são transmitidas diariamente. Já o programa eleitoral, acontece duas vezes por dia, 13h, e 20h30, com dez minutos cada bloco, só com candidatos a prefeito.

(Colaborou Rodrigo Lima)