Às vésperas da eleição, Eduardo Paes vira réu
Eduardo Paes
Eduardo Paes - Marcelo Camargo/Agência Brasil

A menos de 20 dias do início da campanha, o ex-prefeito carioca Eduardo Paes (DEM) virou réu na Justiça Eleitoral por corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral. O juiz Flávio Itabaiana Nicolau, o mesmo do caso das "rachadinhas" envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), aceitou no dia 31 de agosto a denúncia em que o Ministério Público Eleitoral acusa Paes pelo suposto recebimento de propinas de cerca de R$ 10,8 milhões do Grupo Odebrecht, destinadas ao financiamento de sua campanha de reeleição em 2012.

No mesmo despacho em que acolheu a acusação da Promotoria, Nicolau ainda autorizou o cumprimento de mandado de busca e apreensão contra ele. A ordem foi cumprida na manhã desta terça, 8, na casa do ex-prefeito em São Conrado, zona sul do Rio. Em meio à impopularidade do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), Paes é o líder das pesquisas de intenção de voto para a eleição deste ano na capital fluminense.

Além de Paes, a denúncia apresentada no dia 17 de julho pelo MPE atinge ainda o deputado federal Pedro Paulo (DEM-RJ) e os empresários Benedicto Barbosa da Silva Junior, Leandro Andrade Azevedo, Renato Barbosa Rodrigues Pereira e Eduardo Bandeira Villela. Assim como o juiz Itabaiana, o núcleo da Promotoria que denunciou Paes é o mesmo que investiga Flávio Bolsonaro: o Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc).