Defensoria Pública quer Rio Preto na fase vermelha

PLANO SÃO PAULO

Defensoria Pública quer Rio Preto na fase vermelha

O principal argumento da Defensoria para pedir a classificação da cidade na fase vermelha tem como base o boletim diário da Funfarme (que administra HB e HCM) e dados da Vigilância Sanitária de Rio Preto divulgados no domingo, 2


Júlio Tanone, defensor público, assina requerimento endereçado ao município e ao Estado
Júlio Tanone, defensor público, assina requerimento endereçado ao município e ao Estado - Thomaz Vitta Neto/Arquivo

A Defensoria Pública do Estado de São Paulo enviou ofício nesta segunda-feira, 3, ao governo estadual e à Prefeitura de Rio Preto, em que pede que a cidade regrida da fase laranja e seja classificada na fase 1 (vermelha), a mais restritiva do Plano São Paulo. No documento, a Defensoria cita a alta taxa de ocupação de leitos no Hospital de Base (HB) e na Santa Casa.

Clique aqui para ler o ofício encaminhado ao Estado e à Prefeitura

O documento assinado pelo defensor público Júlio Tanone e por outros três defensores, do Núcleo Especializado de Cidadania e Direitos Humanos, foi endereçado aos secretários estaduais de Saúde, Jean Carlo Gorinchteyn, de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, ao prefeito, Edinho Araújo (MDB), e ao secretário municipal de Saúde, Aldenis Borim.

O principal argumento da Defensoria para pedir a classificação da cidade na fase vermelha tem como base o boletim diário da Funfarme (que administra HB e HCM) e dados da Vigilância Sanitária de Rio Preto divulgados no domingo, 2, com apoio do Departamento Regional de Saúde (DRS-15), que apontam que os dois hospitais da rede pública de saúde do município - HB e Santa Casa - alcançaram 100% de ocupação de seus leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI). O HB, referência para pacientes em tratamento de Covid-19 na região, contava, até domingo, com 117 pacientes internados em UTI e 131 em enfermaria, ao passo que a Santa Casa tinha 36 pacientes na UTI e 39 na enfermaria.

Em ofício, a Defensoria recomenda que a Prefeitura adote medidas mais rígidas para deter o aumento da contaminação na cidade e se abstenha de adotar medidas para flexibilizar o funcionamento das atividades econômicas.

Ao governo do Estado, a Defensoria recomenda que classifique a região na fase vermelha em um prazo de até 48 horas.