No limite, Rio Preto fica na fase laranja até 10 de agosto

PLANO SP

No limite, Rio Preto fica na fase laranja até 10 de agosto

Na Prefeitura de Rio Preto a manutenção foi recebida de forma positiva, pois, ao longo da última semana, integrantes do governo demonstraram preocupação com uma possível regressão de fase


Região de Rio Preto permanece na fase 2,  enquanto Araçatuba saiu do vermelho; avanço registrado nas regiões de Campinas e Araraquara, que foram para laranja e amarelo, respectivamente
Região de Rio Preto permanece na fase 2, enquanto Araçatuba saiu do vermelho; avanço registrado nas regiões de Campinas e Araraquara, que foram para laranja e amarelo, respectivamente - Divulgação

A região de Rio Preto, que engloba 102 cidades, permanece na fase laranja de plano de retomada da economia em meio à pandemia de coronavírus. A atualização do plano foi anunciada nesta sexta-feira, 24, pelo governador João Doria (PSDB), que prorrogou a quarentena em todo Estado até 10 de agosto.

Na Prefeitura de Rio Preto a manutenção foi recebida de forma positiva, pois, ao longo da última semana, integrantes do governo de Edinho Araújo (MDB) demonstraram preocupação com uma possível regressão de fase, que poderia levar o município à etapa vermelha do plano, que permite apenas abertura de serviços considerados essenciais. A região atingiu na quinta, 79% de taxa de ocupação de leitos de UTI. Nesta sexta, a taxa chegou a de 80%, o que deixa toda região em risco de ir para a fase vermelha.

"A manutenção da região de São José do Rio Preto na fase laranja, apesar das restrições, mostra que estamos no caminho certo. A avaliação do comitê gestor do plano São Paulo mostrou que ficamos no limite. Quase fomos para a fase vermelha, que é a primeira fase com restrições quase absolutas, apenas com serviços essenciais", afirmou Edinho, em vídeo divulgado pela Prefeitura. O prefeito citou abertura de leitos na UPA Jaguaré e em Jaci para o atendimento a pacientes com Covid-19 como um dos motivos para manutenção de fase.

"Eu entendo a aflição de todos. Eu estou aflito. Não há quem não esteja querendo sair dessa fase e voltar à normalidade. Mas uma coisa é certa: esse vírus é um inimigo que pode ser fatal", disse Edinho, que assinou decreto que prorroga as medidas sobre o comércio até 10 de agosto.

Rio Preto está na mesma fase desde maio, quando o governo de São Paulo passou a adotar as divisões por regiões. Nessa etapa é permitida a abertura do comércio com restrições, limitações de capacidade de atendimento e obrigatoriedade de normas de higienização. O funcionamento de atividades como barbearias e salões de beleza permanecem vetados.

O secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, afirmou ao Diário nesta sexta, 24, que a região de Rio Preto, como um todo, registrou queda de casos nas últimas semanas que chegou a 17%, mas um aumento de ocupação de leitos de UTI. "Tivemos ao longo de todo esse tempo de pandemia ocupação de leitos na região de Rio Preto. Esses números chegaram a ocupação de 79%. Existem vários leitos sendo implementados ao longo dos próximos dias. Portanto, segue a fase laranja, mas com muita atenção da população e dos gestores públicos neste momento", afirmou o secretário.

O governo pode fazer revisões extraordinárias do plano, que são anunciadas a cada semana, em caso de regressão de etapas nas regiões do Estado.

O governador afirmou nesta sexta que de forma global, o total de casos registrados de Covid-19 registrou queda de 5% na última semana.

Três regiões do Estado tiveram melhora e avançaram de fase. Araçatuba e Campinas saíram da fase vermelha para a laranja. Já a região de Araraquara passou para fase amarela, com maior flexibilização de atividades do comércio.

Entidades do comércio reagiram sobre a prorrogação. "Duas mil empresas já fecharam", afirmou o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Rio Preto (Sincomercio), Ricardo Arroyo.

"Se deixarmos o comércio inteiro fechado, corre-se o risco desta curva baixar muito e, desta forma, prolongar demais o período da pandemia", afirma o presidente da Associação Comercial e Industrial de Rio Preto (Acirp), Kelvin Kaiser.

A Associação Paulista de Supermercados (Apas) entrou nesta sexta-feira, 24, com um pedido de reconsideração no recurso apresentado pela Prefeitura de Rio Preto no Supremo Tribunal Federal (STF) que validou a proibição de funcionamento dos Supermercados aos finais de semana. A associação alega que não foi chamada a apresentar contrarrazões.

A Apas recorreu à Justiça para tentar anular artigo do decreto que proibiu o funcionamento dos supermercados, regra que vale até 30 de julho. Em 1ª instância, o pedido da associação foi negado, mas o Tribunal de Justiça reverteu a decisão e liberou a abertura dos supermercados, apenas. No entanto, a Prefeitura recorreu ao STF e restabeleceu a norma, após decisão liminar do ministro Dias Toffoli.

No texto a Apas afirma que peticionou nos autos "o pedido de suspensão, antes da concessão da decisão liminar, trazendo importantes argumentos sobre o descabimento do pedido de suspensão". O advogado da Apas, Roberto Longo Pinho Moreno, ainda argumentou se o ministro considera os postos de gasolina mais importantes que os supermercados, já que em situação semelhante, o ministro definiu que os postos de gasolina deveriam permanecer abertos.

O pedido foi encaminhado no final da tarde desta sexta ao gabinete do ministro Dias Toffoli. Até o fechamento desta edição, não havia decisão do STF.