RIO PRETO

Plano sugere abertura setorizada do comércio

Prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (MDB), entregou ao governo do Estado proposta de flexibilização


Prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo, em reunião com o governo do Estado
Prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo, em reunião com o governo do Estado - Divulgação/Prefeitura de Rio Preto

O prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (MDB) apresentou nesta sexta-feira, 22, o plano regional de flexibilização do comércio a integrantes do governo do Estado. Entre as medidas previstas pelo documento está a reabertura de shoppings e galerias para o atendimento ao público com utilização de 30% da capacidade de pessoas, caso a cidade consiga baixar do nível 3 para o 2 do controle da pandemia da Covid-19. Até o dia 31 de maio, porém, nada muda por conta da quarentena estabelecida pelo governador João Doria (PSDB).

De acordo com o documento, as lojas de variedades, lojas de departamentos e magazines também poderão reabrir a partir do dia 1º de junho se o plano for aceito pelo Estado, mas esse tipo de comércio deverá reduzir o atendimento ao público a 10% de sua capacidade. A proposta prevê ainda que restaurantes e similares atendam ao público no local com 30% da capacidade para manter as medidas de distanciamento social.

Com relação aos salões de cabeleireiros, manicure, pedicure, barbeiros, academias e outras atividades físicas, o plano propõe o atendimento individual e agendado. O mesmo vale para o comércio de veículos automotores, com a recomendação de atender um cliente em cada sala.

As informações previstas no plano são válidas para 102 municípios que formam a região administrativa de Rio Preto. Ou seja, as prefeituras de cidades da região também poderão impor restrições de dias e horários de funcionamento ao comércio e serviços. "As atividades estão sujeitas a restrições de dias e horários de funcionamento, para possibilitar a flexibilização do maior número de estabelecimentos. Restrições de dias referem-se à abertura ou não aos fins de semanas e restrições de horários, de 6 horas por dia, escalonadas, ou das 10h às 14h e 19h às 23h, para os estabelecimentos do ramo de alimentação", consta no plano regional.

Além disso, o plano prevê cinco etapas, em que a primeira diz respeito à abertura total, com medidas de distanciamento e de prevenção, e a quinta representa o "lockdown", que é o fechamento total das atividades comerciais. Atualmente, a região está na fase 3 — que autoriza o funcionamento de serviços essenciais, seguindo regras previstas no decreto do governo do Estado de São Paulo.

Nesta sexta, Edinho apresentou a proposta para os secretários estadual de Transportes, João Octaviano, e de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi. As informações serão analisadas pelo Comitê de combate ao coronavírus e, na terça-feira, 26, os prefeitos das 16 regiões administrativas se reúnem com o governador João Doria (PSDB), que não participou do encontro desta sexta, conforme estava previsto.

Critérios

O plano regional foi elaborado pelo Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus e a secretaria de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de Rio Preto. Entre os 5 níveis são levados em consideração pelo grupo técnico "o número de síndromes gripais leves e graves, casos de Covid, ocupação de leitos em UTIs e a garantia de EPIs (Equipamento de Proteção Individual) e quantidade de profissionais de saúde na ativa".

A ideia de Edinho e reduzir a situação de Rio Preto para o nível 2, que prevê a reabertura de alguns segmentos da economia. O prefeito "defendeu mais uma vez a autonomia dos prefeitos e a regionalização da flexibilização da economia de acordo com a situação em cada local".

"Defendo a autonomia dos municípios e criamos um plano de trabalho com perspectiva na retomada da economia respeitando as decisões técnicas da ciência e da medicina. O plano foi definido pelo comitê com critérios seguros para que não haja descontrole no enfrentamento da pandemia", afirmou Edinho durante teleconferência.

Pressionado por empresários, o emedebista defendeu a retomada de setores da economia que "já vem sofrendo com quase 70 dias de isolamento social possam ser contemplados com a volta ao trabalho".

De acordo com o secretário de Saúde, Aldenis Borim, "é facultado aos prefeitos da região aderir ao plano de acordo com a realidade local de cada município, condicionada a decisão do governo do Estado de regionalizar as decisões contidas em um futuro novo decreto". Edinho atendeu aos pedidos de colegas da região para pedir ao governo do Estado a flexibilização de setores do comércio.

Isolamento

Edinho afirmou que um dos principais critérios utilizados pelo governo do Estado que possibilitará ou não a abertura de segmentos da economia é o índice de isolamento social de 55%. O prefeito de Rio Preto defende que a flexibilização possa ser feita a partir de 50%.

De acordo com Vinholi e o vice-governador Rodrigo Garcia, outros dois pré-requisitos exigidos para conseguir colocar em prática o chamado dia "D" é conseguir manter o número de casos da Covid-19 em baixa por 19 dias, além da ocupação de leitos de UTI ficar abaixo dos 60%. Os prefeitos tentam reduzir os patamares dessas exigências argumentando que a situação da região de Rio Preto é diferente em relação a região metropolitana e a capital.

"Estamos mais próximos de chegarmos no nível 2, que permite uma flexibilização maior, mas podemos fazer um esforço final para aumentar nossos níveis de isolamento e chegarmos ao dia 1° de junho, quando termina o decreto do governador, em condições de retomar atividades econômicas indispensáveis para a vida do cidadão", afirmou o Edinho.

Protesto

Cabeleireiros de Rio Preto protestaram, na manhã desta sexta-feira, 22, em frente à Prefeitura Municipal pedindo para que os salões possam voltar a abrir na cidade. No último dia 18, o município decretou que os salões e barbearias fossem fechados.

Representantes dos manifestantes foram recebidos pelo prefeito Edinho Araújo, que ouviu as reivindicações do grupo. Segundo o presidente da Câmara, Paulo Pauléra, que também participou da reunião, o segmento pediu ao prefeito para voltar a trabalhar normalmente. "O prefeito está trabalhando para a regionalização. E tendo essa regionalização, a partir do dia 1º de junho, os cabeleireiros e barbeiros certamente poderão voltar a trabalhar normalmente", disse o vereador