SEGREDO DE ESTADO

'Reunião sigilosa' contou com 40 pessoas

Os "segredos de Estado", conforme alega o governo, foram conversados na presença de todo o primeiro escalão


Presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada
Presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada - Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Tratada agora como sigilosa pelo governo de Jair Bolsonaro, a reunião ministerial do 22 de abril, a última com a participação com o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, foi presenciada por ao menos 40 pessoas. Os "segredos de Estado", conforme alega o governo, foram conversados na presença de todo o primeiro escalão, presidentes de bancos públicos, assessores especiais, ajudantes de ordens, cinegrafista e fotógrafo. A quantidade de pessoas pode ser conferida nas imagens divulgadas pelo Palácio do Planalto.

Os detalhes deste encontro estão sendo averiguados no inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar a acusação de Moro de que o presidente Bolsonaro tentou intervir no comando da Polícia Federal. O governo quer que apenas parte da reunião seja divulgada.

Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, argumentou que divulgar que o vídeo na íntegra da reunião, que agora é alvo de inquérito, é "quase um atentado à segurança nacional". "Pleitear que seja divulgado, inteiramente, o vídeo de uma reunião ministerial, com assuntos confidenciais e até secretos, para atender interesses políticos, é uma ato impatriótico, quase um atento à segurança nacional", escreveu no Twitter na quarta-feira, 14.

Para evitar a divulgação do vídeo, a Advocacia-Geral da União (AGU) alegou, na semana passada, "assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado". O presidente tem adotado o mesmo discurso, dizendo que não há problemas em divulgar o trecho alvo de investigação, mas alega que "assuntos comerciais, de relações internacionais e questões pessoais" se mantenham em sigilo.

Entretanto, até o inquérito envolvendo o ex-ministro da Justiça, a preocupação com segurança das conversas sigilosas não era tamanha. Durante os conselhos de ministros, garçons da Presidência também entram na sala para servir água e café no início e, eventualmente, retornam à sala para repor as bebidas. Nesses encontros, técnicos de som costumam ter acesso ao local.