Inquérito no stf

Bolsonaro recua e agora admite ter falado 'PF'

Segundo depoimento do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, durante o encontro o presidente ameaçou demiti-lo caso não promovesse mudanças no órgão


Presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada
Presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada - Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Três dias após ter sido categórico ao afirmar que não havia citado a Polícia Federal, o presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta sexta-feira, 15, ter usado o termo "PF" para se referir à instituição durante reunião ministerial do dia 22 de abril. Segundo depoimento do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, durante o encontro o presidente ameaçou demiti-lo caso não promovesse mudanças no órgão. O Supremo Tribunal Federal apura o caso.

O recuo ocorre após a própria Advocacia-Geral da República (AGU) apresentar ao Supremo transcrição das falas do presidente em que aparecem citações a "PF" e a "família". A AGU pediu o levantamento do sigilo das declarações do presidente. A decisão será do ministro Celso de Mello.