Usou pseudônimos para testes

Bolsonaro entrega exames que deram negativo para Covid-19


Presidente da República, Jair Bolsonaro, fez teste do coronavírus
Presidente da República, Jair Bolsonaro, fez teste do coronavírus - Isac Nobrega/Presidência da República

Os três exames apresentados pela defesa do presidente Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal (STF) mostram que o chefe do Poder Executivo não estava infectado pelo novo coronavírus na época dos testes. Os documentos foram divulgados depois de o Estadão entrar com uma ação no STF, para obrigar que informação fosse divulgada para a sociedade brasileira em nome do interesse público em torno da saúde do presidente.

A defesa de Bolsonaro entregou ao Supremo na noite de terça-feira (12) dois exames do laboratório Sabin com codinome (Airton Guedes e Rafael Augusto Alves da Costa Ferraz), mas o CPF e o RG informados nos papéis são do próprio Bolsonaro. No entanto, o terceiro exame, feito pela Fiocruz, não traz qualquer informação sobre o paciente - CPF, RG, endereço -, apenas identificando o usuário genericamente como "paciente 05". As três coletas foram feitas no mês de março.

O exame da Fiocruz, diferentemente dos realizados pelo Sabin, só foi entregue ao Supremo na manhã desta quarta-feira, 13. No papel, o solicitante aparece como o Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (LACEN-DF), vinculado ao governo do DF.

O documento da Fiocruz é assinado pela chefe do laboratório de vírus respiratórios e do sarampo, Marilda Mendonça Siqueira. Questionada pela reportagem sobre o laudo, a médica confirmou que se tratava da sua assinatura no documento. Indagada sobre a falta de CPF e RG do paciente no documento, Marilda respondeu: "Aqui na Fiocruz a gente não fala direto com jornalista, você primeiro, por favor, fale com o setor de jornalismo."