Se por um lado a juíza da 2ª Vara da Fazenda, Tatiana Viana Santos, vem negando os pedidos de liminar de concursados da área da educação de Rio Preto, o juiz da 1ª Vara da Fazenda, Adilson Araki Ribeiro, concedeu três liminares na última segunda-feira, 11, garantindo a reserva de vaga e a prorrogação da validade do concurso público, que tem validade até janeiro de 2021.

No mesmo dia, Tatiana havia negado o pedido de duas pessoas e, na terça-feira, negou outra ação coletiva de 13 concursados aprovados e convocados em 15 de fevereiro, com posse prevista para 23 de março. Dia 17 de abril, devido a pandemia da Covid-19, o prefeito Edinho Araújo (MDB) suspendeu a nomeação dos concursos em andamento por tempo indeterminado.

As três decisões favoráveis de Ribeiro e a negativa de Tatiana foram propostas pelo mesmo escritório de advocacia. "Vamos fazer embargos declaratórios pra tentar unificar as decisões na comarca de Rio Preto. Caso não consiga, vamos entrar com um agravo de instrumento no Tribunal de Justiça", disse o advogado Augusto Servan. "Não pedimos a nomeação, apenas que preserve a vaga das pessoas. Depois de passado o prazo e equilibrado os cofres, a Prefeitura vai atrás de professores. A pessoa estudou, desprendeu de tempo, dinheiro", emendou.

A convocação foi para cerca de 150 professores, coordenadores, diretor e supervisores. "Teve gente que mudou de cidade, uma veio de Birigui com filha pequena e teve a noticia que foi suspenso", finalizou.