Prefeito Carlos Cesar e vereador Junior Cardoso em evento no ano passado
Prefeito Carlos Cesar e vereador Junior Cardoso em evento no ano passado - Reprodução Facebook

Vereadores de Guapiaçu pressionam o presidente da Câmara, Junior Pereira Cardoso (PSDB), para abrir Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com objetivo de apurar a denúncia de que o prefeito Carlos Cesar Zaitune (MDB) teria recebido propina de R$ 400 mil pela doação de uma área de 26 mil metros quadrados a uma madeireira, em 2018. Nesta segunda-feira, 11, o Ministério Público recebeu representação sobre o caso contra o prefeito.

O requerimento assinado pelos vereadores Claudio Ventura de Lima (PHS), Vanderlei Perozin (PSD), Eduardo Fernandes Gimenez (MDB), Juliano Vetorasso (PTB) e Alessandro Merighi Gilio (MDB) foi protocolado dia 30 de abril, mas não foi atendido por Cardoso na sessão do último dia 5, já que necessitaria de parecer jurídico.

Cardoso é cotado para ser candidato a vice-prefeito na campanha de reeleição de Zaitune em outubro. Nesta segunda, o Diário tentou ouvir Cardoso, mas as ligações não foram atendidas.

"O presidente da Casa que despacha os requerimentos e ele entendeu que era necessário passar para o jurídico. Estou trabalhando nisso e devo terminar amanhã [terça-feira] para apresentar a ele", disse o advogado Silvio Roberto Seixas Rego, diretor Jurídico do Legislativo.

A expectativa é que na sessão do próximo dia 19 seja instaurada a CPI e sorteados os sete membros para apurar as acusações reveladas pelo Diário na edição de domingo, 10. "Seguimos o que manda o regimento. Somos em nove vereadores e para instaurar basta um terço de assinaturas, nós temos até mais", disse Ventura. "Já deveria ter sorteado no dia 5. Serão sete nomes e tirando o presidente apenas um dos vereadores ficariam de fora. É uma forma de ter na comissão quem é da base de apoio ao prefeito e contrários."

Para os vereadores que defendem a CPI, os fatos relatados em uma declaração de Percival Lopes, presidente da Associação Clube do Rodeio de Guapiaçu, que diz ser um "laranja" no esquema, precisam ser apurados. "Ele [Cardoso] tem de instaurar, não depende dele, o regimento é claro. Ele só enrolou mais uma semana, mas mandaremos para o Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado para que abram investigação", disse Perozin. "Ele é presidente da câmara, mas não é dono, tem regras a serem seguidas."

O prefeito Carlos César Zaitune sustenta que os R$ 80 mil depositados na conta do clube de rodeio foi patrocínio para festa do peão e não propina.

"Não teve nenhum patrocínio. E fica estranho o cara patrocinar R$ 80 mil e dois meses depois receber um terreno sem ninguém ficar sabendo, a gente que é vereador não estava sabendo, que teve corrupção está claro", emendou Perozin. "Teve a licitação e a doação, só participou essa empresa e só colocou no jornal daqui de Guapiaçu, que não divulgou pela cidade e ninguém ficou sabendo."

Os vereadores possuem cópias de 52 cheques que totalizam R$ 63 mil e foram depositados na conta do clube, que seria gerida por Zaitune, segundo declarou Lopes."A gente só quer saber os fatos, averiguar se teve mesmo esse dinheiro em troca do terreno", emendou Vetorasso. "A associação foi criada nessa gestão, o prefeito ainda mandou para câmara uma lei específica definindo ela como responsável pela realização da festa. Tudo isso vai ser apurado", emendou Alessandro Gilio.