10 MIL MORTES

Congresso decreta luto oficial

Ato proíbe celebrações enquanto perdurar o decreto de luto


    • máx min
Bandeira nacional a meio mastro na tarde deste sábado
Bandeira nacional a meio mastro na tarde deste sábado - Divulgação/Senado

O Congresso Nacional está em luto de três dias em razão de o número de óbitos oficiais do novo coronavírus (covid-19) que atingiu a marca de 10 mil mortes no país. O decreto prevendo o luto foi publicado em edição extraordinária do Diário Oficial do Congresso Nacional de deste sábado,9.

O ato conjunto foi anunciado pelos presidentes das duas casas, Rodrigo Maia (Câmara) e Davi Alcolumbre (Senado). Por meio de nota, ambos informaram que a bandeira nacional localizada em frente ao Congresso foi hasteada a meio-mastro;

Também em nota, o Senado informa que, conforme prevê o ato conjunto 2/2020, ficam proibidas quaisquer celebrações, comemorações ou festividades enquanto durar o luto. "É uma tragédia que nos devasta mais a cada dia. Este Parlamento, que representa o povo e o equilíbrio federativo desta nação, não está indiferente a este momento de perda, de tristeza e de pesar", diz a declaração conjunta de Maia e Alcolumbre.

"Esta homenagem é à sua memória e em respeito ao luto das famílias que, em muitos casos, nem puderam se despedir por causa do risco de contaminação", escreveu Maia nas redes sociais.

No documento, os dois presidentes do Legislativo pedem a todos que mantenham as recomendações das autoridades de saúde, visando a diminuição do ritmo de contágio da doença. O Brasil é o sexto país com maior número de mortes causadas pelo covid-19, com 10,1 mil mil óbitos registrados até a tarde deste sábado, segundo levantamento do portal G1. De acordo com dados disponíveis até este sábado a tarde, o Brasil tinha registrado 148,6 mil casos da doença.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, também se manifestou sobre a homenagem. "O Parlamento também sofre a dor de tantas famílias brasileiras que perderam seus entes queridos, sem poder render-lhes as justas homenagens", escreveu, no Twitter. É um momento difícil para todos."

O país fica atrás da França (26,18 mil), Espanha (26,25 mil), Itália (30,2 mil), Reino Unido (31,24 mil) e Estados Unidos (69,88 mil).