O ‘impossível’ não está no dicionário
Equipe fez um treino regenerativo nesta quinta, em Itu
Equipe fez um treino regenerativo nesta quinta, em Itu - Mirassol FC/Divulgação

Contratado no final de abril de 2019, após o Mirassol se safar do rebaixamento no Paulistão, a missão do treinador Ricardo Catalá, 37 anos, era fazer com que o time apresentasse um futebol ousado e competitivo, capaz de atrair o torcedor e trazer bons resultados à agremiação. Claro que não foi da noite para o dia, o time demorou para deslanchar na Copa Paulista e conseguiu com a chegada de reforços atingir a semifinal do torneio. Essa sistematização do trabalho trouxe o grande feito em 2020, com a semifinal do Paulistão, mas Catalá promete mais esforço para quem sabe surpreender nesta reta final, como fez o Ituano em 2002 e 2014, além de Inter de Limeira (1986) e Bragantino (1990).

"Claro que não é impossível, tudo é possível. Acho que impossível é uma palavra criada para que as pessoas se limitem a não sair da sua zona de conforto. Nós estamos trabalhando no limite do limite, muitas horas por dia, quase 20 horas. Tenho arrancado o couro da comissão, vejo se é isso, se não está bom pede para fazer de novo e faz dentro daquele modelo que a gente já conversou bastante, de delegar, conferir, fiscalizar e deixar as pessoas trabalharem, para que a gente possa entregar o maior número de informações aos jogadores, com mais qualidade para que a gente possa ser mais competitivo", disse Catalá. "Onde nós podemos chegar, ninguém sabe essa resposta, mas nós nos esforçaremos para ir o mais longe possível."

O elenco mirassolense já retomou seu trabalho nesta quinta, em Itu, enquanto aguarda a semifinal. "Quando eu fui contratado o Mirassol pediu que eu mudasse o jeito do clube de jogar. Venho de 13 anos trabalhando em clubes com uma administração de governança corporativa, com processos bem definidos. Era para que eu trouxesse essa bagagem para dentro do clube e instituir-se alguns processos nessa relação profissional e base. Óbvio que o elenco do Campeonato Paulista não foi montado para usufruir da base, mas de um ano para cá esse processo se fortalece e vem comprovando de que o Mirassol cada vez mais se consolida em nível regional como um clube formador", disse Catalá. (OJ)