Organizada do São Paulo critica Lugano, Raí, Diniz e Daniel Alves

A maior torcida organizada do São Paulo, a Independente, divulgou uma nota nesta quinta-feira, dia 30, criticando duramente a diretoria e os principais jogadores do elenco, após a derrota por 3 a 2 para o Mirassol e a eliminação nas quartas de final do Campeonato Paulista. Daniel Alves, Juanfran, Alexandre Pato, o técnico Fernando Diniz e até os ídolos Raí e o uruguaio Lugano foram cobrados. Além do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

A organizada disse que o diretor-executivo de futebol e o superintendente de relações internacionais são "uma vergonha" como dirigentes e pediu a demissão de ambos. Quanto a Fernando Diniz, a torcida diz que "por onde anda, ele fracassa" e pediu para os torcedores acordarem. Também citaram o lateral-esquerdo Reinaldo, o zagueiro equatoriano Arboleda e até o atacante uruguaio Gonzalo Carneiro.

Quanto a Leco, a Independente lembrou as declarações dadas pelo técnico Rogério Ceni, quando ele foi demitido do clube. "Não se engane com os cabelos brancos, os canalhas também envelhecem. Resta alguma dúvida? Pior Presidente da história !!!!", escreveu a torcida.

Em relação aos jogadores, as críticas a Daniel Alves é pelo alto salário. "Veio para quebrar o São Paulo ou ser campeão". O espanhol Juanfran e Alexandre Pato também não escaparam das reclamações. "Tiozinho do churrasco" foi a forma que o lateral-direito foi chamado e o atacante, questionado: "Quando vai virar profissional?"

O São Paulo não conquista o Campeonato Paulista desde 2005. É o time grande que está há mais tempo sem ganhar o Estadual. O clube tricolor não é campeão desde 2012, quando faturou a Copa Sul-Americana. Leco assumiu a presidência em 2015 e deixará o comando sem ganhar títulos, já que a Copa Libertadores e o Campeonato Brasileiro serão encerrados após o término de seu mandato.

Diniz, lamentou a eliminação. O São Paulo se reapresenta hoje. "Não é uma coisa fácil de explicar. A gente parou de uma forma e voltou de uma forma totalmente diferente. Quase que o oposto. Era um time que tinha conexão com o torcedor, entre nós mesmos, jogo que fluía, criava muitas chances de gols, chegava fácil pelos dois lados do campo, que oferecia poucos contra-ataques, que era muito atento. A gente retomou de uma forma muito diferente daquilo que parou. A gente vai ter que trabalhar e retomar aquele momento que parou diante do Santos". explicou Diniz.