AUXÍLIO ATLETA

Edinho está impossibilitado de pagar


Os integrantes do Movimento pelo Esporte Riopretense iniciaram nova ofensiva para receberem o benefício do programa Auxílio Atleta durante a pandemia da Covid-19, mas o prefeito Edinho Araújo (MDB) garantiu estar impossibilitado de executar o programa no cenário atual, até por falta de estrutura.

Uma carta foi enviada a Edinho pedindo a volta dos profissionais aos seus núcleos para atendimento online aos atletas, além flexibilização com aulas online e presenciais com menor público, e seguindo as recomendações de segurança.

Em nota, o prefeito diz que "segue orientações da Procuradoria-geral do Município, já que a Secretaria de Esportes não possui plataforma digital estruturada para o desenvolvimento digital das atividades, bem como o seu acompanhamento, sem falar que algumas das atividades esportivas não seriam compatíveis na forma de execução à distância."

O movimento luta pela retomada do pagamento aos atletas e técnicos já vinculados ao município para a disputa de competições oficiais. Foram pagos apenas 15 dias de salário referente ao mês de abril e o prefeito suspendeu o pagamento do benefício. No portal da transparência, com os gastos de janeiro e fevereiro, a Prefeitura investiu cerca de R$ 390 mil no programa, entre rendimento, iniciação e esporte comunitário.

"Muitos professores vivem disso", disse o porta voz do grupo, jogador e auxiliar técnico do basquete do CAD/Corinthians, Paulo Cesar Jatobá, pré-candidato a vereador pelo PSDB.

Edinho vetou o projeto do vereador José Lagoeiro (Patriota) alegando que recebeu orientação do Tribunal de Contas do Estado (TCE) a não pagar, pois não há trabalho ou atividade. Na próxima terça-feira, 26, o veto deve ser votado na Câmara.